Arquivo da categoria: casulo

Relato de parto

Desde o começo da gravidez eu repito sempre uma mesma frase: o tempo da Agnes é muito precioso. Sempre senti isso, em diversos momentos. E sempre senti que era um tempo diferente. Diferente do padrão, diferente do meu tempo. Esse era só dela. E não teve momento mais propício do que o seu nascimento para me mostrar que sim, esse meu sentimento estava certo.
A Janie, minha doula, me disse em um dos nossos encontros que a gente só sabe mesmo quando começou o trabalho de parto depois que ele acaba. Do tipo “ah, aquela dorzinha que eu senti quando estava em tal lugar, já era o início”. Achei engraçado no dia, e depois vi que é desse jeitinho mesmo que acontece.
 
Na madrugada de domingo (dia 13 de julho), por volta de umas 03:00 da manhã, comecei a sentir umas cólicas no pé da barriga e na lombar. O dia anterior tinha sido agitado, de certa forma, marido e eu fizemos caminhada duas vezes no dia, eu estava super bem disposta – na noite de sábado, inclusive, já sentia umas fisgadas fortes e o início de uma dorzinha, mas como tinha me movimentado bastante, atribuí a isso.
Como eu só sentia as cólicas e não a barriga dura como nas contrações, fiquei observando (depois percebi que a barriga ficava dura, sim, mas não doía nada-nada, só em baixo mesmo). Eram leves e não duravam muito, mas percebi que o negócio estava vindo com uma certa regularidade. Era como se viesse uma onda que ia crescendo, chegava num ponto e ia caindo até acabar. Quando eu vi que não estava passando, mandei mensagem pra Janie, pra avisar que tinha algo rolando. Ela falou pra eu tentar descansar ao máximo, porque não sabíamos quanto ia demorar até engatar mesmo e coisa e tal. Ok. Só que quem disse que eu conseguia dormir? Fiquei deitada, mas rolou no máximo uns cochilos só. Só aqui entre a gente: nesse momento me veio a mente que meu outro “parto” tinha começado bem daquele jeito, de madrugada, eu sozinha sentindo dores que eu achava que eram só o início (e naquele caso terminou rápido), tive um medinho, sim, e usei esse tempo acordada para mandá-lo embora. Meus pais foram pra missa (saem 5 e pouco da madrugada pra ir a missa) e eu levantei pra andar um pouco e tomar um banho. A essa altura, eu já tinha acordado o Cleber e contado a novidade. Lembrei que, além de descansar, seria bom eu me alimentar também, e como estava mesmo com fome, liguei pros meus pais passarem na feira e trazer frutas pra fazer vitamina. Em algum momento eu cronometrei as dores – que sim, estavam bem suportáveis, eu nem precisava de uma posição específica para passar por elas, então estava tranquila quanto a isso, só o que me fez contar foi perceber que elas vinham com regularidade – e para minha surpresa, estava numa média geral de 3 ou 4 minutos (não todas, algumas vinham com mais espaço, mas a média foi essa) e durando uns 20 e poucos ou 30 segundos. Ou seja, minha gente, tinha algo acontecendo, sim.
 
Meus pais chegaram empolgadíssimos da rua, já no clima de “a Marina está em trabalho de parto, que legaaal!!!” e isso me deu uma travada. Porque assim, o negócio tava só começando, eu não queria alarde. Na verdade, esse foi um ponto complicado do TP: lidar com a ansiedade e animação deles versus a minha vontade de me isolar, feito bicho mesmo, pra parir minha filha no meio do mato. Não sei o quanto isso empacou o processo como um todo, mas sei que não foi como eu imaginava. Enfim. Falei pra eles que aquilo ainda nem era trabalho de parto, expliquei o que são pródromos, e que eu não queria que ninguém soubesse ainda, pra não causar mais ansiedade fora de hora na família.
 
A Janie resolveu vir aqui ver pessoalmente como eu estava, já que os intervalos estavam curtinhos, mas eu não tinha nenhum outro sinal. Tomei outro banho enquanto ela não chegava. Ela chegou, conversamos um pouco e percebemos que tinha espaçado mais. Ela viu que eram curtas. O negócio é que já era quase hora do almoço e eu ainda não tinha dormido. Precisava descansar, pra ter energia. Depois de um tempo ela foi embora e voltaria quando a coisa andasse; ficamos em contato.
 
Os intervalos entre as contrações continuaram espaçados no restante da tarde, aí sim parecia o começo de tudo. Eu estava meio nervosa porque queria ficar sozinha e não estava rolando. À tarde eu fui pro quarto com o Cleber e conseguimos dormir (tanto que nem vimos o jogo da final da Copa, rs). E comecei a perder um tiquinho de tampão. Até então eu meio que sabia que não tinha dilatação ainda, sei lá, pra mim só começaria de fato quando viesse o tampão (vai entender, rs). Foi bem pouquinho mesmo, mas já vi que a roda estava girando.
 
Na madrugada de segunda foi a mesma coisa da anterior: dores e eu acordada a maior parte do tempo. Quando amanheceu, estavam mais fortes, e perdi mais tampão. Tomei café da manhã em pé, porque sentada incomodava um bocado. Não sei explicar direito, mas pra mim ainda faltava muito até ela chegar (e agora percebo que faltava mesmo, mas não taaanto assim, hehe). As dores vinham sempre iguais, desde o começo, e como já começou com intervalos pequenos, depois é que espaçaram, não sabia ao certo quando considerar trabalho de parto ou não. Até porque eu não estava fazendo “nada”. Só tomava banho e seguia a “ordem” de descansar. Eu estava muito tranquila quanto a dor e tudo mais.
 
Meu pai foi trabalhar e finalmente ficamos sozinhos em casa. Tomei mais um banho (domingo foram 3, rs) e depois pedi pro Cleber fazer uma massagem nas minhas costas – de tanto cair água quente, pelos banhos que tomei, a pele estava sensível, eu queria algo que aliviasse. Sentei na bola de pilates pra ele fazer a massagem (foi a única vez que usei a bola) e ele massageou com o óleo que eu usava na gravidez pra dormir melhor (hahaha, era o único que tinha). Foi uma delícia!! Aí aconteceu o que? Comecei a sentir sono (óbvio, rs). Coloquei um dvd do Arnaldo Antunes (porque eu simplesmente não fiz uma playlist pro parto, apesar de ter começado diversas vezes) e deitei no sofá. Não deu pra dormir muito, porque as contrações ficaram meio diferentes, eu não queria mais conversar como se não tivesse acontecendo nada. Eu estava concentrada. E o mais engraçado é que eu ainda comentei que o óleo tinha me deixado numa vibe muito louca, as coisas estavam diferentes pra mim – eu muito calma e achando tudo muito legal (quase uma bêbada, haha). A Janie ligou e o Cleber falou com ela como eu estava. Pouco tempo depois ela chegou aqui. Decidimos juntos irmos na Casa Angela dar uma avaliada, porque o meu quadro não era “como os outros”: eu tinha contrações desde o dia anterior, intervalos relativamente curtos, mas que não estabilizavam (apesar de terem espaçado bem no domingo a tarde) e eu passava por elas deitada, na minha, e conversava normal (apesar de me sentir nessa outra vibe depois da massagem, ainda não era exatamente a partolândia). Estava tranquilíssima. E foi importante a presença dela aqui nessa hora, nos ajudando nessa decisão de ir logo, me lembrando que cada corpo é um, que cada história é uma, e também me ajudando a pegar as coisas que faltavam na mala, hehe. Ligamos pro meu pai, que chegou aqui rapidinho, e nos levou até lá.
 
Chegando lá, fomos atendidos pela enfermeira Marina (xará! rs), que me examinou. Pressão, pulso e temperatura ok. A altura da barriga estava 34cm mas a Agnes estava super baixa já. Aí ela fez um exame de toque: 5 pra 6 cm de dilatação, colo médio ainda. Já tinha passado da metade. Aí era hora de fazer o cardiotoco. Sério, essa foi uma das partes que eu não gostei. Aquele tum-tum-tum do coraçãozinho dela foi me dando um negócio e eu fui ficando nervosa. Chorei. A Janie e o Cleber foram uns lindos nessa hora, conversando comigo e me acalmado. Sei lá, acho que veio um fantasma da gravidez anterior, querendo ou não foi ali que eu não ouvi o coração e soube que a bolota tinha ido embora, acho que me veio isso, eu tinha medo dos batimentos da Agnes irem caindo até sumir, nossa, não foi legal. Quando eu saí da sala, minha mãe já estava chegando lá (eu disse que eles estavam animados, rs). Devia ser quase 14:00. Meus pais saíram pra comer e comprar lanche pra Janie. Nós ficamos e nos instalamos na sala de parto, comemos um lanche também. Não tinha nenhuma outra parturiente na Casa, só eu, então pude escolher o quarto. Nessa hora foi meio estranho, sei lá, eu não sabia muito bem o que fazer, com tantos aparatos a minha disposição. Vinham algumas dores, me apoiei na banheira, pra ver se seria melhor. Brincamos com a câmera um pouquinho. Na verdade, minha amiga tinha se disponibilizado a fotografar e estava a caminho, mas como eu também tenho câmera, levei também. E saímos pra dar uma caminhada ao redor da Casa e na rua. Eu andava normal e quando vinha a dor eu dava umas respiradas, às vezes parava pra sentir e deixar vir.
 

 

 

 

 

 
Meus pais chegaram e ficamos por ali conversando, uma animação, ele querendo saber se eu ficaria ou iria embora, em que pé estava, etc – e por dentro eu achando aquilo tudo forçado demais. Daí a Marina veio e disse que como eu estava super bem e tudo mais, poderia ir pra casa ou dar uma volta em outro lugar se quisesse; ou não, eu poderia escolher. Nessa hora a Lilian chegou (minha amiga que ia fotografar),mas nem cheguei a falar com ela direito. Como eu já estava ~meio assim~ ali no meio de todo mundo, falei que para decidir eu precisava ficar sozinha. Entrei rápido e fui direto pro quarto. Deitei na cama e… comecei a chorar. Nem sei direito porquê eu estava chorando, mas deixei vir. Acho que uma parte minha “não acreditava” que a hora estava mesmo se aproximando, que eu estava prestes a conhecer a minha filha, que eu tanto desejei e já amava. E aí descobri que sim, no parto vêm mesmo coisas da nossa história que estavam guardadas, da nossa personalidade, tudo é muito forte. E só pra situar quem me lê, vou usar a frase que eu costumo usar em outros momentos: apesar de eu ser leonina, não gosto de ter os holofotes em mim. Ou não desse jeito escancarado, pelo menos. Quando eu era criança, por exemplo, era infinitamente mais tímida do que sou hoje, nunca fui de turma grande ou esportes coletivos, sempre detestei ter alguém olhando o que quer que eu estivesse fazendo, ou me falando o que deveria ser feito. Isso tudo é parte de mim, mas eu cresci e arrumei um jeito de lidar com isso… até aquele momento. Naquela tarde de segunda-feira, eu só queria ficar sozinha, quieta, sem aquela agitação. Eu precisava me concentrar, poxa! Não dava pra ser toda sintonia e intuição com a Agnes com tanta expectativa em cima de mim. Enquanto estivesse sendo daquele jeito, não daria muito certo. Eu me sentia fugindo dos outros, ao invés de estar indo ao encontro de mim mesma. Aí eu vi que aquele parto animado, com músicas, risadas, gente falando o tempo inteiro, como a gente vê em alguns vídeos (lindos e emocionantes, por sinal) não seria o meu. O meu parto real me trouxe um outro olhar. E eu precisava aceitá-lo e acolhe-lo.
 
Pois bem. A Marina veio ver como eu estava. Sentou ao meu lado e me olhou de um jeito muito acolhedor. Eu perguntei se poderia ficar lá, porque precisava de espaço, de tranquilidade. Ela disse que sim, claro que eu podia ficar. Conversamos um pouco e depois combinamos que se ficasse na mesma até a manhã seguinte, veríamos o que seria feito. Adorei ter tido essa minha escolha respeitada. E antes eu achava que “travaria” se chegasse lá antes da hora, tinha planos de ficar em casa atééé o máximo que eu conseguisse e chegar lá parindo, vi que o que planejamos pode simplesmente não acontecer, tudo é uma caixinha de surpresas. A Janie também veio me ver e contei sobre a decisão – vimos que o ímpeto dela de me levar pra Casa Angela foi mesmo de me deixar “sozinha”, visto que quando mais engatou foi quando Cleber e eu ficamos a sós. Ela foi lá fora dizer isso aos meus pais (eu acho) e todo mundo foi embora. Ela ficou lá fora e eu fiquei no quarto com o Cleber, num momento muito nosso.
 
Teve a troca de plantão e a Carina e a Rose que estariam com a gente na madrugada. A Rose teve a ideia de nos mudar de quarto, nos levar pra um que tinha duas camas (uma tipo hospital e outra cama comum mesmo), porque segundo ela “tinha mais cara de hotel e menos de hospital”, haha, disse que nos sentiríamos mais confortáveis, o Cleber poderia dormir também, etc e tal. Foi só então – umas 20:00 – que eu descobri que minha amiga não havia ido embora com meus pais (como eu pensei que tivesse acontecido), estava lá fora conversando com a Janie. Então ela entrou, conversamos e ficamos todos juntos.
Quando estávamos jantando, tomei um pouquinho de chá de canela (só pelos filhos mesmo que eu tomo chá). A Carina veio dizer que poderia demorar ainda a engrenar (tudo isso baseado no meu comportamento, não fui examinada de novo), que podia ficar cansativo pra Janie e pra Lilian e que elas poderiam ir embora se quisessem. Como, teoricamente, eu não estava fazendo nada (nem bola, nem chuveiro, nem nada para auxiliar a aliviar as dores ou engrenar de vez) e a Janie tem uma filhinha que ainda mama, falei que ela poderia ir sem problemas. Ela foi. A Lilian ficou mais um pouco. Foi uma linda de tudo, respeitou meu silêncio e ficou lá, esperando meu tempo. Não rolou fotos nesse momento, eu sei lá o que eu estava esperando, nem lembrei de pedir pra ela fotografar o momento como estava mesmo, eu lá deitada – fui uma gestante em TP preguiçosa, percebem? Só descansei, haha – a gente conversando e tudo mais. Como diria o célebre Chicó “num sei, só sei que foi assim”.
Estava uma noite fria e tínhamos esquecido de levar um cobertor pro Cleber (eles pedem pro acompanhante levar). Como íamos ligar pro meu pai levar isso pra gente (e blusas de frio também), perguntamos se ela queria ir descansar, porque eu estava ficando com pena dela lá sentada sem muito conforto e a gente deitado nas camas, rs. Ela aceitou e assim foi; isso por volta de umas 23:00, se não me engano. A Carina veio e me fez uma massagem ótima no corpo todo. Depois, como sempre, a ordem era tentar dormir – e como sempre, não rolou de forma muito eficiente.
 
Meia noite eu fui ao banheiro e o papel higiênico tinha acabado. O Cleber estava me esperando na porta e falei pra ele ir pedir um. Enquanto eu esperava, percebi que estava pingando. “Ué, mas eu já acabei de fazer xixi, gente, que coisa”. E saquei que poderia ser uma ruptura alta de bolsa. Contei pra ele e fomos falar pras meninas, avaliar se era bolsa mesmo ou não. A Carina veio me examinar, ouviu o coraçãozinho da Agnes pelo sonar, estava ok, depois fez um teste numa fitinha pra ver se era líquido mesmo – e era. Aí ela perguntou se podia fazer um toque, já dizendo que poderia estar na mesma, pra eu não me frustrar e tal. Mas estava com 7 cm, fiquei super feliz em saber isso, nem me toquei que tinha sido uma evolução “lenta”, eu só pensei que estava chegando perto. Ela me disse que como era bolsa rota eu teria mais 18 horas até a pequena nascer, senão teriam que me transferir, e disse tudo que podíamos fazer pra ajudar. Eu preferi esperar mais um pouco pra ver como ia evoluir depois dessa novidade, se nada acontecesse até amanhecer eu tomaria um shake que prometia fazer milagre, rs. Falei pro Cleber dormir, porque precisava dele descansado. Como não queria ficar sozinha, liguei pra Janie e ela chegou em meia hora, foi ótimo tê-la ali comigo. Da 01 da manhã até umas 03:00, as dores começaram a se intensificar. Eu respirava fundo, mandando ar pra pequena, e depois de um tempo já falava uns “aaai” baixinho.

 

 

Fui ao banheiro de novo, já andando meio torta, e quando voltei pro quarto, não deitei mais (era umas 3:30 – eu sei graças ao horário das fotos na câmera, hehe). Me apoiava na parede quando vinha a dor, que já estavam mais longas e intensas. Chamamos a Carina e lembro que a Janie disse pra ela “acho que tem neném querendo chegar”. Depois de auscultar de novo, dessa vez por mais tempo (era pra ter feito outro cardiotoco, mas eu não quis, pra não ficar nervosa), ela sugeriu que eu fosse pro chuveiro, até foi ligar antes pra ficar tudo quentinho. Tava frio demais e eu não queria nem pensar em chuveiro, em ficar lá em pé. Deitei de novo e aí tirei a roupa que eu tava, pra colocar uma camisola da Casa depois. Eu me sentia indo pra outro lugar. O Cleber foi acordando, me lembro de segurar a mão dele nessa hora, do nosso olhar. Acho que minha ficha só caiu aí que sim, ela ia nascer e estava muito perto. Quando vi, estava chorando. Não de tristeza, de emoção mesmo. Me lembro de me sentir bem por não estar sozinha, por estar com eles ali, daquele jeito.
Como eu não quis ir pro chuveiro, tiveram a ideia de irmos pra banheira, no outro quarto. Eu tinha a sensação que se levantasse, a Agnes ia nascer ali mesmo, então relutei um pouquinho em ir. “Tô tão bem aqui mesmo”, eu falava. “Mas a água é ótima, Má, você vai gostar”. Fomos. Aquele corredor nunca foi tão grande, céus!
E quando eu entrei na água… nossa! Que paraíso!!! Aí sim, aquilo que era vida, haha.
 

Não sei certinho o que aconteceu depois que entrei na banheira.
Sei que consegui achar uma posição confortável, a água era realmente muito gostosa e eu me sentia muito bem ali.
Não sei quanto depois, sei que foi pouco, senti o primeiro puxo. Uau, estava acontecendo mesmo!

 

 

Difícil explicar com precisão esses momentos.
Os primeiros puxos vieram e eu não sabia muito bem o que fazer. É uma força diferente de tudo que eu já tinha sentido antes. Só que, na verdade, a única coisa que eu tinha que fazer era deixar vir, não bloquear, não travar meu corpo. Dali pra frente ele agiria sozinho.
Mas ainda demorou umas duas forças ainda pra eu sacar isso de vez. É algo tão intenso e tão involuntário que eu fiquei meio assustada, se é que foi essa a palavra mesmo. Você tá lá, relaxando na banheira, de repente – e eu disse de repente mesmo – sem nenhum aviso prévio, seu corpo assume o comando e simplesmente faz força – é mais rápido do que o seu pensamento. Surreal! Mesmo se você tentasse não poderia parar aquilo. A natureza é muito perfeita mesmo. Lindo!
Não sei quantas contrações demoraram. Sei que, quando apontou a cabecinha (mas ainda não tinha saído totalmente), ela ainda estava dentro da bolsa – e eu vi! Lembrei do sonho que eu tive, em que ela nascia empelicada. Era muita emoção! Mas a bolsa rompeu quando saiu a cabeça. Essa é aquela famosa hora em que eu achei que fosse rachar, haha. Foi o único momento do expulsivo que doeu, porque nos outros momentos não era exatamente uma dor, é a força, uma pressão forte mesmo.
A cabecinha dela saiu e ainda demorou uns minutos até vir outra contração. A Janie gravou o expulsivo e ontem eu assisti de novo e vi: quase 4 minutos. Foi o tempo que a cabecinha dela ficou na água. Vinha uma contração mas parecia que não era suficiente. Eu chamava por ela, conversava, e em certo momento eu falei assim “ela me responde”. Só lembrei disso vendo o vídeo, muito amor!
Ajudei como pude a manter a força quando ela vinha. Acho que chegou a passar pela minha cabeça que eu queria que fosse suave, que eu precisava respirar pra não lacerar, lembrei das minhas conversas com a Maíra, mas naquele momento tudo que meu corpo falava era que eu precisava fazer força. E eu fiz. Toda a tranquilidade do trabalho de parto deu lugar a uma intensidade sem tamanho quando entrei naquela banheira, e parece que só fez crescer; eu gritava. Era a mãe leoa nascendo também. Eu vocalizava, chamava por ela… e no tempo que ela escolheu, senti seu corpinho escorregando pelo meu, e voltando pra mim. O momento mais forte e mais inesquecível da minha vida, sem sombra de dúvidas.
Saiu da água já chorando forte, coloquei deitadinha no meu peito, falei com ela… e ela parou de chorar. Ficamos ali nos namorando por um tempo, o Cleber junto da gente – como esteve o tempo todo, aliás. Um momento único.

 

 

 

 

 

Aí a Carina falou que era bom eu sair da banheira, pra esperar a dequitação da placenta. Meu único receio de parir na banheira sempre foi esse momento: a saída com o bebê no colo, ainda ligado a mim pelo cordão. Mas a ocitocina e o coquetel de hormônios naturais dominam e não tem como passar mal. Elas encostaram a cama lá do ladinho e me ajudaram a levantar e me sentar na cama. Pra ajudar a placenta a sair – e também porque era um desejo e um direito nosso – coloquei a Agnes pra mamar. E parece que ela estava só esperando por isso, porque pegou direitinho e sugou lindamente. Ficamos assim por quase 2 horas, eu acho. Enquanto mamava, recebeu a dose injetável de vitamina K (a única intervenção que teve, não tinha como ser oral). Eu não olhei e ela nem chorou.
E nada de placenta. Quer dizer, ela descolou da parede do útero e ficou parada no canal. Com a Agnes no meu colo (eu não parava de olhar pra ela), não conseguia me concentrar para expulsá-la. Como o cordão já havia parado de pulsar, o Cleber veio cortar, e foi lindo. Aí enquanto a Rose a limpava, media cabecinha, pesava e vestia, me concentrei na dona placenta. Fiquei com um pouco de medo porque doeu. E tive que me lembrar dos exercícios com o epi-no (e com a ajuda do Cleber), e ela finalmente saiu.
Como tinha bastante sangue na água, achamos que tinha lacerado, até porque a Agnes nasceu com uma mãozinha no rosto e outra no ombro. Quando me examinaram, não tinha nada. Quer dizer, tinha um cortezinho muito pequeno (disseram que era como se tivesse soltado uma pelezinha só, igual quando batemos o dedo, sabe como?) que obviamente não precisou de sutura nem me incomodou em nada depois.

Ah, voltando um pouquinho… assim que eu fui pra banheira, a Janie mandou mensagem avisando meus pais que estava chegando a hora – até porque a Lilian estava descansando lá. Minha mãe disse que foi tomar banho e, antes de saírem de casa, chegou outra mensagem dizendo que já tinha nascido. Ou seja, essas fotos aí de cima quem clicou foi a Janie. E foi mesmo muito rápido: 3:30 eu ainda estava no outro quarto, e ela nasceu 4:30! Pelo horário dos registros, foram uns 30 minutos de expulsivo (contando de quando eu senti os puxos). Não imaginei que fosse ser tão rápido.
Eles chegaram e depois que a placenta saiu, a Lilian entrou pra fotografar a Janie fazendo os carimbos com a placenta – ficaram lindos! Aí ela fotografou a Agnes, a gente com a equipe, enfim, o depois. Gostei muito.
Depois de tudo meus pais entraram no quarto, todo emocionados, e ficaram lá babando a neta (e impressionados que eu não tinha levado nenhum ponto, rs.

E sim, meus amigos, o que eu falava estava mesmo certo: o tempo da Agnes é só dela. É tranquilo, mas também é muito intenso. Forte e suave. É precioso. Como a minha menina é.

 

 

E foi isso. Um parto que está reverberando em mim até hoje, me trouxe muitos sentimentos e lições, com certeza vou levar um tempo pra digerir tudo ainda.

Eu gostaria de agradecer imensamente as pessoas que estiveram comigo nesse caminho.
As minhas doulas lindas: Maira e Janie, por todo apoio, informação, ouvidos, palavras, massagens e abraços. Vocês foram muito importantes, obrigada.
A toda equipe da Casa Angela, muitíssimo obrigada pelo acolhimento. Por respeitarem meu plano de parto, meu espaço, meu silêncio, minhas vontades. Todo mundo que faz parte e contribui pra Casa ser o que é, as enfermeiras que me assistiram, as meninas da cozinha (jesus, que comida ótima!), obrigada.
A minha obstetra Catia Chuba, que me incentivou a buscar o empoderamento durante todo o pré-natal, obrigada.
Aos meus pais e a minha família, pela paciência, disposição e todo apoio, obrigada.
A Lilian, que se disponibilizou a fazer o registro do parto e esteve ali o tempo todo, muitíssimo obrigada.
Aos amigos que se fizeram presentes e estiveram comigo durante a gestação, obrigada.
E por último, mas não menos importante, quero agradecer muito ao meu parceiro de vida, Cleber, por ser quem é, por ter se empoderado, estudado e bancado tudo isso comigo, não me deixando sozinha em nenhum momento. Por confiar em mim. Pelas palavras. Pela presença. Pelos abraços. Enfim, é muita coisa. Por tudo. Obrigada.

Ufa, que bom que consegui terminar o relato. Ficou grande, mas tinha de ser assim.
Beijo!

Anúncios

17 Comentários

Arquivado em acontece comigo, Agnes, amor, Casa Angela, casulo, coisa linda, doula, espera, parto natural, relato de parto, tempo

Uma gestação, muitos sentimentos

38 semanas de gestação. Não tem como negar que estejamos na reta final. Se nascer hoje ou se nascer de 42 semanas, tá perto. Sendo assim, esse me parece um bom momento para falar de como eu fui invadida por uma montanha russa de sentimentos e sensações nesses meses todos.

Se me perguntarem como foi ou como estou em relação a gestação em si, é mais fácil responder. Eu me sinto ótima, me sinto feliz, me sinto plena, sinto que estou realizando um sonho. De verdade. Até agora tive uma gestação muito tranquila, graças a Deus. Sem contratempos, sem alterações, sem aqueles sem-fins de sintomas incômodos – só alguns mesmo. Pra quem emendou uma gravidez na outra, sendo que a primeira não teve um final feliz, passar por isso assim, dessa forma calma, sem turbulências, foi um presente. Não estou dizendo que não tive medo. No começo, claro que senti. Me permiti guardar a notícia só para os mais chegados por um tempo tanto para preservar a nova vida e me vincular a ela no nosso tempo, como também para evitar mil especulações e comparações desnecessárias com o que tinha me acontecido 2 meses antes. Eu não precisava do medo das pessoas, já tinha o meu para aprender a lidar. Aprendi a não projetar uma experiência na outra e foi bem gostoso ir descobrindo o novo. Eu não tive uma conexão instantânea com a Agnes assim, logo de cara. Apesar de ter sentido muito cedo que ela já estava aqui, ela foi um mistério morando na minha barriga por um bom tempo. E eu acolhi esse sentimento. Aos poucos fomos sendo cada vez mais uma da outra e hoje eu amo tê-la aqui dentro e conhecer seus movimentos e respostas. Mas sim, sinto que isso é um grão de areia diante do que ainda está por vir.
Sem contar que adoro estar grávida, adoro os sintomas e ver o quanto o nosso corpo é mesmo perfeito e sabe o que faz. Adoro curtir a barriga e conversar com ela, fico toda emocionada pensando em como vai ser quando ela estiver aqui do lado de fora, em como ela vai nascer e essas coisas todas. Amo! Amo compartilhar tudo isso com o Cleber, ver como ele já está construindo uma relação com a Agnes desde agora, conversando e brincando, e o quanto ele se empenha para entender meus sentimentos e se inteirar de tudo o que diz respeito a hora do parto e aos cuidados dela.

Agora, se o assunto é o resto do mundo… Ou melhor, se o assunto é o que o resto do mundo tem despertado em mim, aí é outra conversa.
Por um lado, gosto das pessoas perguntando, se interessando pela pequena, todos animadíssimos com a sua chegada. Mostro roupinhas pra todo mundo que vem aqui em casa, conto do andamento da montagem do enxoval e do quarto, fazemos festa. Entendo que um bebê faz as pessoas ficarem mesmo muito animadas – até porque eu fico muito animada quando sei que tem um pra chegar. Realmente gosto dessa parte.
Porém, ao que tudo indica, algum duende travesso passou por aqui e levou toda minha (pouca) paciência embora. Acabou rápido e eu tentei me virar como deu. Foi difícil aguentar mimimi. Foi difícil fazer ouvidos moucos e cara de alface. Foi difícil lidar com fofoca. Ou até mesmo com conversa fiada em horas inoportunas. Foi difícil, não. Está difícil, porque ainda não acabou. Eu sofro, eu fico com raiva, eu quero enforcar dar na cara de quem for. Depois, choro (nossa, como eu choro!). Tô chata mesmo, não posso negar. É uma espécie de tpm misturada com salto de desenvolvimento – pense numa combinação que não deveria existir.
A boa notícia é que não foi assim durante 38 semanas sem parar, ufa! Claro que houveram folgas, muitos períodos felizes e ensolarados. Mas é que esses aqui que conto agora, os dias mais cinzentos, quando meus hormônios me dão um baile daqueles… esses são intensos.
Muitas coisas aconteceram – algumas que foram “despertadas” por causa da chegada da pequena (mas que não tem a ver com ela, necessariamente), outras que não tinham nada a ver com a gravidez – e mexeram muito comigo. Que me fizeram enxergar uma parte do mundo de um jeito diferente. Sombras minhas, fatos dos outros. Situações, constatações. Na verdade, é complicado escrever sobre isso, acho que por isso nunca mencionei diretamente por aqui. Porque o que é meu, não quero/posso/consigo compartilhar agora, não quero falar por enquanto, e isso nem indica um problema, veja bem, só quer dizer que o meu modo de elaborar o que me acontece se dá assim mesmo: internamente. E não posso expor diretamente o que veio de fora, porque é preciso preservar os envolvidos, mesmo que os mesmos tenham me chateado muito algumas vezes.
O que posso dizer é que muitas vezes eu quis ir pra uma casinha lá na marambaia, porque realmente não foi fácil ser eu. Com o tempo eu percebi que tinha que me preservar, também pela Agnes, que sente e vive tudo o que vem de mim. Eu precisei me cuidar. Eu precisei aprender a relaxar (e ainda estou em processo). Quando deu, evitei sim situações que eu sabia que iriam me irritar ou me chatear, simples assim. Algumas vezes eu só quis um pouco de paz mesmo, pra curtir o presente e viver a gravidez. Nem sempre fui compreendida, mas era isso ou muito stress pra minha pequena e pra mim. E claro que nem sempre deu certo também, mas a vida é isso aí, tentativas e erros e acertos. Não dá pra ensaiar antes. Foi um grande e intenso aprendizado – está sendo, não sei quando (ou se) vai acabar.

Teve um dia que ouvi algo assim: “na verdade, não são os outros que mudam e se intrometem mais, elas sempre foram assim e a gente ia contornando e relevando para evitar indisposições. O que muda é a nossa postura diante do mundo. É saber que agora não ficaremos calados quando quiserem tomar decisões em nosso lugar – porque afinal tem alguém ali que depende inteiramente da gente”. E é exatamente isso. Não foram os outros que mudaram, fui eu. Não vai dar mais para ser como antes, e nem quero também, não faz sentido.
E então, escrevendo esse texto, percebo que nesses 9 meses gestei não só a Agnes, mas também a mim. Não só a mãe que serei, que isso é principalmente dia a dia, mas também a mulher que quero ser. Ainda não sei inteiramente quem vai nascer – e sinto que será um expulsivo doloroso, se me permitem a comparação – mas tudo bem né, tenho um longo caminho para (re)descobrir.

7 Comentários

Arquivado em acontece comigo, autoconhecimento, casulo, sentindo, silêncio, sombras, terceiro trimestre

37 semanas e a minha calma

“Do alto das minhas 36 semanas de gestação, enquanto todos perguntam (quase afirmando) se estou ansiosa pra ela chegar logo, enquanto muita gente diz que não vê a hora dela nascer, eu só penso que quero viver – mais do que nunca – um dia de cada vez, e que passe um pouco mais devagar, porque eu não estou com a mínima pressa. Não estou ansiosa para saber o dia, nem o horário, nem nada que só o tempo e a natureza decidirão. Eu só quero viver o presente.”

Escrevi isso no facebook semana passada e posso dizer que resume muito bem o momento atual em que estamos. 

Hoje completamos 37 semanas. 
37 semanas de barriga crescendo. De muito amor. De corpo trabalhando e produzindo pessoa nova lindamente. De dúvidas, enfrentamentos. De descobertas. De encontro com a minha sombra. De empoderamento. De muitos aprendizados. E de gente linda no meu caminho. 

A partir de hoje, se a Agnes quiser nascer, já não será considerada prematura. Estamos a termo. 

Semana passada, quando escrevi essas palavras que abrem o post, eu estava vivendo o presente exatamente como o nome diz: um presente. Eu não queria pensar que estamos chegando na reta final, nem que daqui a pouco meu corpo e ela irão trabalhar juntos para dar início a uma nova fase da nossas vidas, muito menos em como seria quando ela chegasse. Eu estava muito grávida e só queria saber disso. Queria só saber da barriga, dos movimentos dela, da nossa comunicação, de curtir o marido e tantas outras coisas. E me dei conta que estava nessa vibe quando percebi que estava todo mundo me perguntando como eu me sentia, se estava ansiosa, que não viam a hora dela nascer logo, que tava chegando etc e tal. Aí eu me pegava pensando: não estou com essa pressa toda, não, que estranho. Tá tão gostoso ela aqui dentro, por mim poderia continuar grávida por uns 3 meses, sem reclamar. Juro juradinho. Ela tá se preparando, sei que quando ela estiver pronta vai me dizer, então pra quê eu preciso de pressa? Hoje em dia é muito comum querer antecipar as coisas, viver lá na frente, pensar no próximo passo. Eu também sou assim em alguns momentos, aliás. Mas em relação a chegada dela, estou na paz. 
Eu sempre ouvi que a gravidez dura 9 meses e que o último mês dura 9 meses, de tanto que demora. Semana passada, então, eu devia estar de umas 4 semanas, porque só queria saber de curtir meu bebê aqui dentro. Como me acostumei a dizer nesses dias: tá todo mundo ansioso pra Agnes nascer logo… menos o Cleber e eu. Rs…

Mas eu entendo esse sentimento nas pessoas. Eu tenho a Agnes aqui comigo há meses, só eu e ela, ela e eu. O pai também presente, mas deu pra entender o espírito da coisa – aliás, vou sentir saudade dessa nossa vivência e sintonia depois, já tô sabendo. Natural que todo mundo queira que ela saia pro mundo, para interagirem e fazer parte de forma mais ativa da vidinha dela. Vendo por esse lado, deve ser também por isso (mas não só) que eu não tenho a mínima pressa: nunca mais seremos só nós duas. Nunca mais poderei protegê-la de tudo e de todos, assim do jeito que é agora. A mãe leoa parece já dar sinais que será bem ativa nesse sentido, rs.

A verdade é que eu estou calma. O que é um pouco estranho, pra quem me conhece de looonga data, mas é a mais pura verdade. Não posso dizer que não estou sentindo nada. Na verdade, o frio na barriga já tá dando as caras, mas é só porque essa coisa de “qualquer dia, qualquer hora” agora tá rolando pra valer. De hoje até agosto ela pode chegar na hora que der na telha, olha só que legal!! 

E devo estar assim nessa calma toda em relação ao parto porque fisicamente estou muito bem. Essa semana que comecei a sentir peso na barriga, mas só quando eu ando. Aí o pé da barriga doi, me canso mais rápido e hoje deu umas coliquinhas também, tanto que estava indo numa padaria mais longe e fiquei na mais perto mesmo, porque tava chatinho, não quis forçar. Sinto dor nas costas só se fico muito tempo sentada na mesma posição, ou se durmo a noite toda pro mesmo lado. Insônia só tive duas vezes, mas foram por motivos externos mesmo. No mais, tenho estado muito bem. Ainda consigo lavar os pés (#ostentação, kkkk), me abaixar. Só acordei de madrugada pra ir ao banheiro umas 2 vezes em toda gestação.
Até agora ganhei 8 quilos e uns quebrados, devo chegar aos 9 e pouco até o fim (sou péssima em contar as gramas, percebam), mas estou sendo otimista, porque tenho sentido mais fome (apesar de não caber mais tanta comida, rs) nesses dias, então se eu não chegar a 12 em poucas semanas tô no lucro, hahaha 😛 
Na consulta das 35 semanas, remarcaram a próxima pra quase 38, porque eu não tinha queixas ou coisa assim. 
Cheguei a 29,5cm no Epi-no, que vitória!!! \o/ Isso foi semana passada. Depois acabei não fazendo mais, por motivos meus mesmo, mas ele ainda tá aqui comigo, e tem outros exercícios pra fazer. Comprei uma bola de pilates há um tempo que tem sido muito parceira nessas semanas 🙂
No último ultrassom, que a Catia pediu que eu fizesse com 35 semanas, Agnes estava linda, cefálica, serelepe. 2,3 quilos e 43cm de gostosura. 

Sobre a parte prática, só falta arrumar as malinhas – isso será feito amanhã. O quarto tá pronto (e juro que venho mostrar num post específico, pre-ci-so lembrar de tirar fotos decentes pra ficar completo), roupas e fraldas lavadas, passadas e guardadas. Quer dizer, sempre tem uma coisinha aqui ou ali pra trocar de lugar ou que eu ainda invento fazer, mas do essencial, realmente necessário, já tá tudo pronto.
Em relação ao parto, plano A é Casa Angela e plano B é hospitalar com minha equipe linda de confiança. Plano de parto feito, editado por mim, aprovado e comentado por marido e revisado com a doula. 

Enfim, tudo se encaminhando direitinho. 

Estou feliz, estou calma com a chegada dela, estou curtindo muito esse presente.
Também estou num casulo, num momento de super introspecção, vivendo um monte de emoções e sentimentos… mas isso eu volto daqui a pouco pra contar, prometo 😉


37 semanas de mamãe-filhinha ❤

                           

6 Comentários

Arquivado em acontece comigo, casulo, gestante, terceiro trimestre

Tanto tempo

Considerando que já passamos da meia noite, podemos dizer que a 35º chegou.
35 semanas e me dei conta que faz tempo que não passo aqui pra atualizar os registros sobre a gravidez.
Tenho vários posts inacabados. E mais uns tantos aqui na caixola.
Tanta coisa acontecendo ao mesmo tempo… Lá fora e aqui dentro.
Não digo só pelo desenvolvimento da Agnes – que está crescendo e se remexendo lindamente, me fazendo ficar cada dia mais apaixonada. Mas em mim mesmo, como pessoa inteira, muita coisa tem mudado – se reajustado, reformado, transmutado. A gravidez tem um papel importante nisso, mas não é só. É mais.
O slogan da minha vida está sendo: 2014, o ano da mudança.
E eu pretendo escrever sobre tudo isso, com toda certeza. Mas não pode ser planejado, nem de qualquer jeito. Uma hora a inspiração e o jeito certo chegam, com certeza.

Estou muito feliz, e foi isso eu fiz questão de vir aqui registrar. Com a barriga crescendo e as arrumações quase concluídas. Berço montado, cômoda reformada, quarto reestruturado. Roupas lavadas. Plano de parto feito, equipe definida – com plano A, B e quantos mais forem necessários. Mas acho que dona Agnes vai fazer do seu próprio jeito mesmo, como sempre é. Tenho estado super ultra mega sensível, chorando por qualquer coisa, até pensamentos. Tenho estado no meu casulinho, arrumando o ninho pra chegada da nova vida. O frio na barriga tá surgindo, apesar de ainda não ser ansiedade. É só o saber que ela está chegando pra valer, que finalmente vou vê-la aqui fora, na sua hora, nos meus braços, sentir seu cheirinho e apertar suas dobrinhas.

Daqui duas semanas, se ela resolver nascer, não será prematura. Isso porque eu conto pelo primeiro ultrassom, se fosse pela dum, já seria semana que vem. Mas ela sabe a hora dela, a minha parte eu estou fazendo aqui fora. E faremos ainda mais, juntas, quando ela me avisar que podemos começar.

Até lá, os planos são: descansar, terminar os penduricalhos que comecei e nunca consegui terminar, ir ao cinema, relaxar a mente, não ficar estressada com gente chata, ir a dois shows (ingressos já comprados), respirar e algumas coisinhas mais, que nunca é demais.
E, sim, eu volto pra contar.

34 semanas e 6 dias de dois corpos ocupando o mesmo lugar no espaço ❤




Obs: reli e achei que ficou com tom de despedida. Não, não é despedida, nem nada planejado – pelo menos por enquanto. É só que tudo tem acontecido tão rápido que eu mal tenho tempo e percepção para parar e registrar tudo. Só passei mesmo pra dar notícias, e pra dizer que meu sumiço tem prazo pra acabar – só não me contaram ainda qual é 😉

6 Comentários

Arquivado em acontece comigo, casulo, gestante, terceiro trimestre

Like this

“Mas posso ter ainda algum motivo para querer cair no vendaval

Eu sou assim, assim, assim

Você assim, assim… assim”

Eu sou toda ao contrário.
Sempre assumi esse meu lado e aprendi a lidar com com ele desde muito cedo. E é assim por um único e simples motivo: não consigo ser de outra forma. Parece discurso pronto, eu sei, mas aqui no meu caso é literal. Me sinto desconfortável, como se estivesse dentro de uma armadura que não me cabe (por ser grande ou pequena demais) e indo contra algum grande princípio interno misterioso.
Não, as coisas não são sempre do meu jeito, eu vivo em sociedade e não numa utopia infinita, sei que a banda não toca exatamente assim. Já tentei várias coisas, de vários jeitos, e justamente por já ter tentado sei que não são a minha praia. Aí eu tinha sempre duas opções: ou seguia em frente sofrendo e, algumas vezes, tendo uns sintomas psicossomáticos que me deixavam de cama (nos casos mais extremos), ou mandava tudo às favas e partia pra outra.
Ok, vamos à prática: na verdade sempre foram dos dois jeitos: a insistência no que não me cabia -> o sofrimento -> mandar às favas e partir pra próxima. A próxima era sempre algo que não me cabia, de novo, mas eu insistia que tinha que caber. O ciclo se repetia incansavelmente, parece que eu não aprendia. Era como se só fosse possível viver daquele jeito, eu que era a errada, a torta, não era possível que eu não conseguia seguir uma porradumaregra; daí tentava me enquadrar e me estrepava. Mas nunca obtinha um sucesso nisso. Nunca obtinha sucesso porque eu não conseguia achar um mínimo de felicidade ou satisfação no que eu fazia. E, pra mim, isso é essencial.
Chegou uma hora que eu cansei. Mandei às favas (com o empurrão inicial necessário dado pelo meu marido lindo e tão doido quanto eu) várias coisas de uma vez e decidi que me dedicaria ao que realmente me fizesse bem e fim de papo. Eu ainda ia ter que descobrir o que seria essa coisa, mas e daí, né?! Só detalhes, rs.
Tranquei duas faculdades, pedi demissão, voltei pra casa dos meus pais – não necessariamente nesta ordem e ao mesmo tempo.
Ia continuar pobre, sem residência própria, vivendo com menos, tendo que lidar com gente que não entendeu minha escolha e aprendendo diariamente (no estilo um dia de cada vez) a não me importar muito com isso.

Esse último aprendizado está em processo. E, algumas vezes, minha cabeça entra no modo antigo e tenho umas crises. Se querem saber a real, estou saindo de uma exatamente agora. Um coisa foi puxando outra e quando vi já estava bem enrolada e não conseguia sair. Foram dias bem difíceis. Entrei numa espécie de crise de identidade, pensando que as minhas escolhas estavam equivocadas, que sou toda errada, que não levo jeito é pra coisa nenhuma e que o melhor seria se eu não saísse nunca mais de casa. Ou do meu quarto. Ou da minha cama. Não conseguia pensar em uma mísera coisa pra fazer e, se possível, transformar em trabalho, tudo estava fora de foco; nem escrever estava dando certo – o que é sinal vermelho mesmo, porque escrever é a única coisa que eu sei fazer.

Mas voltando um pouquinho ali em cima, onde eu disse que ainda teria que descobrir algo para me dedicar.
Quando eu chutei o balde, lá no ano passado (depois de trancar a segunda facul, mais precisamente), eu disse pra mim mesma que ia me descobrir. Sem um projeto específico ou um plano traçado. Seria uma coisa minha, no meu tempo. Aí aconteceu uma coisa: eu mergulhei de vez no mundo da maternagem. Mas pra mim era como se fosse um hobby. Paralelo a isso eu fazia várias outras coisas: ia ao cinema sozinha, lia trocentos livros, saía com o marido, ia a shows com amigos, fazia novos amigos, escrevia aos montes, tentava fotografar (ou ser fotografada), fazia umas loucuras, tinha umas crises com o meu passado, tentava elaborar tudo, chorava, ria, dançava, fazia autoanálise. Resumindo, eu vivi o que achava que realmente me cabia. No final do ano ainda trabalhei. Mas sempre, inevitavelmente, eu estava lendo e pesquisando assuntos relacionados a parto, empoderamento, criação com apego, disciplina positiva, etc etc etc. Aliás, foi lendo um monte dessas coisas que me resolvi com coisas minhas que ainda estavam em aberto. Não tinha como negar que isso me fazia muito bem, eu realmente adoro esse mundo e tinha sido uma delícia me encontrar ali.

E aqui cabe dizer: eu sempre quis ser mãe. Sempre. Desde muito pequena. Brinquei de boneca até uns 11 anos, eu acho. Sempre, sempre, sempre me vi gestando, amamentando, cuidando, educando, e por aí vai. É um desejo muito forte. Na mesma moeda, temos o seguinte fato: eu nunca liguei pra carreira profissional. Isso eu descobri na prática, depois de todas as topadas que levei (e que citei lá no começo). Não me importo com status, com salário x no fim do mês, com planos e metas para subir de cargo, com ficar rica, nem ficar o dia inteiro no mesmo lugar, presa, sem poder sair. Porque pra mim pesava mais a “prisão” do que o dinheiro que entrava na minha conta (essa é uma discussão bem complexa, vou me limitar a isso, por enquanto; lembrando que não estou julgando ninguém, nem dizendo que dá pra pagar as contas com sonhos, mas realmente não vou entrar nisso agora).

Sem que eu me desse conta, fui me dedicando cada vez mais a aprender sobre tudo que eu ainda não sabia, sobre o que eu sentia e achava ser errado, descobrindo que errado mesmo é ir contra a nossa própria natureza. Tudo isso com leituras no mundo materno. Ser mãe era (é) o meu grande projeto e eu estava empenhada. Porque é assim, né?! Quando a gente gosta de verdade rola to-du-ma dedicação e uma alegria (e algum cansaço, é verdade – mas até isso muda de lugar na lista de prioridade quando a coisa em questão nos faz bem), mas a gente sempre quer mais. Aí eu engravidei e achei que finalmente poderia passar para a próxima fase: a prática. Tivemos que dar um pause nesta parte, porque né?!, vocês sabem… a experiência que eu ganhei primeiro foi outra, que eu nem queria, mas que talvez precisasse. E depois do luto, e depois de elaborar, e depois de voltar a ficar contente de novo… a crise chegou!

Comecei a pensar que eu deveria ter alguma ocupação fixa que não tivesse nada a ver com maternidade, que perdi tempo, que passei toda minha vida fazendo absolutamente nada, que tava dando tudo errado nessa joça de plano de viver do meu jeito… Tá, vou parar por aqui. Eu disse que foram dias difíceis. Não chegou a ser uma depressão, nem ficava chorando pelos cantos, mas essas ideias me acompanhavam em todo lugar e eu não conseguia me livrar delas (e quase larguei mão da maternidade agora pra tentar outras doideiras). Ainda não sei como consegui, na verdade. Acho que foi passando aos poucos – e também recobrei a sanidade depois de uma conversa noturna com marido.
O fato é que eu comecei a olhar pra fora e me culpar por não ter a grama tão verde quanto a do vizinho. Comecei a ouvir “conselho” de quem mal sabe da minha história. Quanto mais eu olhava, mais eu tentava achar uma solução baseada no que eu via, no que seria supostamente ideal, e menos eu olhava para o que realmente estava me afligindo e para as minhas particularidades. E então, depois que percebi a enrascada em que havia me metido, pude concluir, agora com mais essa experiência como exemplo: não dá para buscar lá fora as respostas que a gente só encontra dentro.

Eu sou muitas dentro do mesmo corpo. A maternidade é o meu maior projeto, mas não é o único. Quero ser mãe em tempo integral, mas não pra sempre. Ainda cabe fotografia, ainda cabe literatura, ainda cabe escrita, ainda cabe dança, ainda cabe viagem, ainda cabe arte, ainda cabe uma vida mais saudável e mais sustentável. Entre tantas outras coisas que compõem a minha vida e que ainda vão chegar e eu ainda nem sei. Eu escolhi me dedicar a maternidade (começando pela teoria) primeiro. Aprendo milhares de coisas que me agregam muito, diariamente, e vou seguir assim, ganhando meu tempo com isso. Consigo conciliar outras coisas? Sim, elas existem, mas são consequência e continuarão a ser até que eu decida mudar as coisas de lugar. Não perdi tempo me dedicando ao que me coloca em movimento. Inclusive, por estar muito bem resolvida neste meu lado tão importante, agora estou agregando outras marcas ao meu caminho, aos poucos, enquanto aquela tal de parte prática não chega. Só sei que continuarei as fazendo dançar juntas, ora mais uma, ora mais outra, talvez chegue o tempo em que seja todas juntas, mas cada uma com seu papel.

Tomei as rédeas da minha vida de volta pra mim. Para ser ao contrário, para ser torta e para ser feliz. Eu sou assim. Mesmo que não faça nenhum sentido, não tem problema. Eu quero é sentir.

Foto repetida. Arquivo pessoal.

19 Comentários

Arquivado em acontece comigo, autoconhecimento, blogagem coletiva, casulo, conflito, escolhas

A semana mais difícil (parte I)

Hoje é sábado, faz um dia cinza em São Paulo, e até um friozinho também.
Mas é um dia lindo, maravilhoso, tudo de bom. Não vou me esquecer dele tão cedo.

Corta!!
Vamos começar do começo.

Parte I – a montanha russa de sensações

Oficialmente, essa deve ter sido – se não a mais – uma das semanas mais estressantes da minha vida inteira. Não foi fácil, não foi divertido, não foi legal.
Porque não basta ser uma pessoa intensa, é preciso que essa intensidade seja possuída pelo ritmo ragatanga agora que estou em estado interessante e enlouqueça de vez. Meus hormônios decidiram, assim numa reunião de última hora e sem aviso prévio, que essa seria a semana ideal para surtar a mamãe aqui. Eles montaram uma montanha russa de responsa em algum lugar entre a minha cabeça e meus pés, e começaram a diversão (eu já contei que tenho medo e pavor de altura?)
E como eu disse no post de segunda, já estava pensando em muitas coisas novas, que ainda precisavam ser um pouquinho mais sentidas. E tudo indica, percebi, que as sombras (aquelas da Gutman) chegam antes do bebê nascer. Como um baby blues adiantado. E sabe do que mais? Até pensei que podia ser uma boa, porque melhor tomar consciência e elaborar tudo agora e deixar só um restinho, ou nada, para janeiro, do que ter que dividir tempo entre minha Bolota e a bendita sombra. Encarei como exercício de autoconhecimento mesmo – e estou em processo de reflexão e elaboração.
Pois bem. Somado a isso, temos problemas de cunho mais sociais, digamos. Estatuto do Nasciturno. Manifestações tomando proporções estratosféricas em São Paulo, e a polícia tendo lapsos de memória (oi, ironia) e tendo certeza absolta que voltamos uns anos no calendário e caímos direto na Ditadura Militar. Vocês não tem ideia do que sucedeu-se em mim: me tornei uma rede de eletricidade. Era muita energia. E muita raiva. E muita raiva. Não tava dando pra conversar muito tempo sobre esses assuntos sem que eu não me estressasse. E para não entrar em contato com nada disso? Só se eu fosse pra Marte. Mas se eu fosse, minhas sombras iam junto, gente linda. Não tinha pra onde correr, não.

E o que o ser gravídico faz quando muita coisa acontece, dentro e fora dela? Chora, minhas amigas.
Chora porque sentimentos antigos voltam à tona. Chora porque tem uns problemas acontecendo, com você, e só de pensar na pessoa você já tem vontade de chorar. Chora porque esse mundo tá todo errado e você está fabricando uma nova pessoa nesse exato instante, e tem medo do que pode acontecer. Porque quando você vira fábrica de pessoas, os problemas do mundo tendem a ganhar uma nova ótica, e você só se dá conta disso quando já está chorando pela coisa. E chora.
A Luíza, mãe da Bebê da Cabeça Quadrada e do Menino que não Sabia Chorar, escreveu lindamente aqui sobre isso.
(ok, essa é a parte que eu paro de falar porque já chorei, apesar de achar que faltaram algumas coisas, senão o post fica só sobre isso – e corre o risco d’eu chorar de novo. Sigamos)

Então. Quinta-feira, 13 de junho. Acordei não muito bem. E as horas foram passando e a minha animação acabando. Eu ainda não posso falar claramente aqui o porquê, desculpem, mas eu chorei. Sozinha em casa, sem ninguém pra ver, eu chorei muito. Sentia um peso no peito. Não tinha muito o que fazer. Foi o dia mais difícil de todos. Coincidentemente, ou não, foi o dia que o bicho pegou pra valer aqui em Sampa. Quer dizer, ainda ia pegar. Do-la-do de onde o Cleber trabalha. Ele trabalha na República, muito pertinho mesmo de onde o pessoal começou a se reunir. Graças a Deus eles foram liberados mais cedo, mas fiquei um pouco tensa mesmo assim. Aliás, na hora em que ele saiu do trabalho eu já estava mais calma, não estava mais chorando. Porque resolvi tomar um banho, para acalmar. Passar um óleo com calma, lavar os cabelos.
Não foi na quinta, foi na terça, mas cabe aqui então vou contar: tive uma conversa muito linda com a Bolota. Disse pra ela desculpar mamãe, que nada do que eu estava sentindo era sua culpa; expliquei o que era, contei mais umas coisas legais. Tudo fazendo massagem na barriga, no banho. Foi lindo e forte.
Na quinta eu rezei. Pedi à Deus e ao meu anjo da guarda que me acalmassem, porque podia fazer mal pro bebê. Pedi ajuda. Com muita fé e muita vontade. E quando o banho acabou, tudo tinha passado como num passe de mágica. A água levou embora as minhas dores.

Por volta das 16 e pouco, fui ao banheiro e vi que havia ali, no papel que tinha acabado de usar, um leve sangramento. O tempo deve ter parado, ou foi meu coração, não sei. Só sei que me assustei. Não era muito. Na verdade, era bem pouco, e eu não tinha dor alguma, então raciocinei que não devia ser algo de gravidade extrema. Fiquei esperando pra ver, sentadinha, descansando. No fim do dia não tinha mais nada, por isso decidi que não iria ao hospital, mesmo porque já era noite (e a coisa tava feia na cidade).


(continua…)

1 comentário

Arquivado em acontece comigo, autoconhecimento, bolota, casulo, chorar, coisa chata, conflito, primeiro trimestre, sombras

Sobre o silêncio que veio junto com o positivo

Desde a semana que me descobri grávida, tenho sentido uma vontade muito grande de ficar quietinha, no meu canto. Uma fase de introspecção, eu acho.

Na primeira semana e numa parte da segunda, eu sentia muito cansaço. Era o meu único sintoma realmente aparente. Qualquer coisinha me deixava cansada, meu ritmo estava visivelmente mais lento. Óbvio que respeitei o pedido do meu corpo e não forcei nada. Com isso, a vontade de ficar no meu cantinho se instalou de vez. 
Então por isso o meu primeiro dia das mães com baby devidamente morando na barriga não foi totalmente animado. Foi delícia, sim, marido me encheu de beijos e chamegos logo cedinho. Dos meus pais, do meu irmão e até da minha afilhada de 4 anos recebi desejos animados de um feliz dia. O almoço estava marcado pra ser em família (do lado do meu pai – vó, tias, tio, primos, todo mundo) na casa de uma tia. Fomos, mas eu não queria muito aquela agitação, sabem? E aí fica chato, né?! Todo mundo ali feliz pra caramba (somos muito animados, rs), eu recebendo abraços de parabéns de quem eu ainda não havia visto pessoalmente, mas não me sentindo no meu maior ânimo para retribuir o que estava recebendo.

E uma coisa  a ser dita sobre mim: eu não sei fingir nada. Sou péssima nisso. Na verdade, nem me esforço muito, porque não me faz bem mesmo. Então forçar um sorrisão ali o dia inteiro não era uma opção, definitivamente. Eu só queria menos gente, só isso. O que nem sempre é entendido por todos, porque tem gente que prefere ver um problema ou um drama (ou achar que eu tenho um problema, sendo mais clara), quando na verdade é tudo muito simples.
O que eu fiz? Esperei a hora do almoço, comi e, depois de esperar mais um pouquinho, chamei o Cleber para sairmos, só nós dois.
Ahh, mas que coisa ótima! Fazia um tempinho que não tínhamos uma tarde inteira livre só pra nós dois. Sempre outros programas, ou dias que escolhíamos curtir a casa mesmo. Fomos ao shopping, conversamos,  namoramos, fomos ao cinema (sou apaixonada por cinema). Foi tão bom!! Me deu uma renovada, estava precisando!

Chameguinho bom…

O cansaço maior tinha passado há uns dias já. Ontem estive bem ocupada, de corpo e de mente, o dia inteirinho. Hoje o cansaço chegou como se nunca tivesse ido embora. Tirei o dia pra mim. Ainda nem consegui visitar todos os blogs que gostaria, estou atrasada nas leituras das amigas (mas já vou resolver isso, me aguardem, rs). Fiquei pensando se não era ruim querer tanto o meu cantinho – mas ó, preciso dizer que não é que eu esteja isolada do tudo e de todos, me recusando a viver em sociedade. É apenas um momento, onde estou priorizando o pedido do meu corpo e da minha mente.

O que acontece é que eu sempre fui extremamente conectada aos meus sentimentos, é da minha essência. Então acho que não é surpresa (pelo menos pra mim) que essa conexão esteja ainda mais apurada agora que estou grávida. Aconteceu naturalmente, como sempre é. E agora eu quero e busco esse cuidado com esse lado que sempre foi meu. É extremante importante para eu me conhecer ainda mais, importante para que eu (re)conheça tantas mudanças – físicas mas, sobretudo, emocionais e mentais – que meu corpo nunca tinha vivenciado antes. Afinal de contas, existe, nesse exato momento, uma outra pessoa crescendo dentro de mim, num ritmo mais frenético que a cidade de São Paulo. Se alimentando de todos os nutrientes que eu ingiro por nós dois. Sentindo as mesmas emoções que eu. Sendo oxigenado pelo ar que eu respiro. Uma outra pessoa que ainda é bem mini, mas será um indivíduo cheio de personalidade e quereres daqui a pouco.  Completo. E eu sou responsável por essa pessoa desde sempre. Meu corpo está completamente focado nessa função, por isso o cansaço. E eu não me importo, já sou mesmo toda dele*.

Mais do que nunca preciso ser fiel à minha intuição – ela sempre esteve do meu lado.
Então, se estou sentindo que devo ficar quieta agora, respeitarei o silêncio que está sendo pedido. Porque é preciso silêncio para melhor ouvir. E eu sempre vou querer ouvir o meu filho.

*ele ou ela, tanto faz, escolho um outro dependendo do ponto do texto, só para não perder o fio da meada mesmo.

20 Comentários

Arquivado em acontece comigo, casulo, comecinho, dia das mães, gestante, primeiro trimestre, silêncio