Arquivo da categoria: chá de bebê

Sobre escolhas. Ou, porque não farei chá de bebê

Uma das perguntas que a gente mais ouve quando fica grávida é: e aí, vai fazer chá de bebê? A minha resposta, como dá pra saber só de ler o título da postagem, é não. “Ah, mas faz chá de fraldas, você vai precisar bastante”, podem dizer. A reposta, sinto dizer, também é não. E então que achei legal escrever um pouco mais sobre isso.

Primeira coisa que acho bom pontuar: não tenho nada contra chás de bebê. Sério. Podem me chamar pros seus chás, inclusive, rs. A única coisa que não suporto são aquelas brincadeiras que pra mim são chatas, tipo pintar barriga (e a cara e todo resto) com batom, pagar mico se errar qual o presente, sair na rua toda horrorosa, etc, mas até aí tudo bem, porque se eu fosse fazer um chá não teriam brincadeiras desse tipo. E se você teve um chá assim e amou, tudo bem também, eu estou falando exclusivamente de mim agora; e apesar de ser do signo de leão, com ascendente em leão, não gosto muito de estar no centro das atenções, essa é que é a verdade, então essa nunca foi uma opção de festa pra mim. 
Dito isso, vamos falar um pouco sobre escolhas. 
Eu adoro que sejamos pessoas livres para decidir o melhor caminho para nossas vidas (tudo bem que, muitas vezes, diante de muitos assuntos sérios, não podemos efetivamente escolher, mas conversamos sobre isso outro dia, hoje quero que o assunto seja mais leve mesmo). 
E eu já fiz algumas sobre como vou exercer a minha maternagem. Minhas escolhas foram feitas depois de muitas pesquisas e leituras, por afinidade de valores e por ver que se encaixavam bem com o que eu acredito e, também, pela forma como levo a vida. Acontece que muitas delas se chocam totalmente com o senso comum. Com o que é amplamente falado pelas nossas tias, vizinhas, desconhecidas e listas de internet como “essenciais” e “necessários” para todos os bebês e suas mães. Ou seja, com o que é usado pela esmagadora maioria das pessoas. 
No começo da gravidez eu ainda não tinha descartado completamente a ideia de fazer um chá pro baby. Nem tava pensando muito nisso na verdade, estava deixando as coisas rolarem. Até que um dia marido chega do trabalho contando que suas colegas disseram que faria um chá de bebê pra mim. Ele disse que não (porque ele é contra essa coisa de festa “só pra ganhar presente”, haha), mas elas disseram que fariam mesmo assim. Eu falei “ah, amor, deixa fazer, tem nada não” e emendei “mas fala pra elas que não precisa levar isso, nem aquilo, muito menos aquilo outro”. Aí eu parei, pensei e completei: “é, melhor não fazer nada mesmo, né?!” e caímos os dois na risada. E foi aí que caiu minha ficha: não dá pra fazer um chá de bebê, que é uma festa para se ganhar coisas*, essencialmente, e colocar uma lista enorme de itens vetados, proibidos, e poucos (diante da gama dos proibidos) permitidos. Isso não é legal, isso não é bacana. 
Dando uma olhada por cima aqui na internet, apenas para fins de sanar minha curiosidade, vi umas duas listas de presentes nos chás de bebê. Não cheguei a contar, mas acho que dá pra dizer que pelo menos metade da lista seria vetada por mim, outra parte pode deixar que eu mesma compro (lixeira pro quarto, lençol avulso… sério que tem isso também? desculpem, mas acho completamente desnecessário pedir esse tipo de coisa) e sobraria bem pouco para os convidados trazerem. Não é justo. Nem com as pessoas, nem comigo. Porque quem fez as escolhas fui eu, então sou eu quem tem que bancá-las. 
Outra coisa, além de ser chato essa coisa de “traz isso, nem pensar em trazer aquilo”, eu teria que explicar essas minhas escolhas para pessoas que, infelizmente, não estão abertas às minhas respostas. Iam achar que é frescura, ou que é moda, ou dizer aquela frase que eu amo #sóquenão: “você diz que não quer agora, deixa nascer pra você ver”. Vocês já sabem a minha opinião sobre o pitaco, então nem vou comentar. 
Não se trata de expectativas desmedidas ou “seguir moda”, como gostam de falar, até porque ninguém tem que seguir ninguém, as pessoas apenas se identificam, ou não. E o mais importante, pra mim: o fato de ter escolhido essas coisas não quer dizer que condeno todas as outras. Cada um com seu cada qual, já dizia o poeta, rs. Precisa haver diversidade para que possamos escolher, não é mesmo? Eu apenas não quero ir pelo caminho mais comum, mais óbvio, mais usado, porque eu sou assim mesmo, não tem jeito. Se não der certo a gente reajusta as coisas, mas só quem poderá tomar essa atitude sou eu, depois de vivenciar as experiências que optei viver, e não agora. Não tenho motivos para comprar nada disso antes dela nascer e antes de saber realmente como as coisas vão funcionar por aqui. 
Mas que raios de escolhas a mulher fez, meu pai, pra não querer nada da bendita lista? Alguém pode estar se perguntando. Daria para fazer um post sobre cada coisa – e pode ser que aconteça, qualquer hora dessas, num humilde blog perto de você. Por hora vou listar aqui, de modo bem simples mesmo, o que eu não vou comprar pro enxoval da minha pequena moça:
– Mamadeiras (céus! nas listas tem tantos tipos que eu nunca ia conseguir decorar);
– consequentemente, excluímos também os tipos variados de bicos para mamadeira, bem como aquecedor, escorredor, pinça, escova e não sei mais o quê para mamadeiras;
– chupetas;
– nada que tente substituir o peito e o leite materno;
– kit berço pra juntar pó e nos fazer espirrar (porque não teremos berço, rá!);
– mil opções de travesseiros para mil coisas diferentes;
– babá eletrônica (não há nenhuma necessidade, visto que dormiremos no mesmo quarto);
– absolutamente nada de personagens (bebês não precisam de personagens. fim.);
– cremes antiassaduras;
– lenços umedecidos;
– fraldas descartáveis (sim, pirilim, o enxoval de fraldas de pano modernas já está sendo feito, e falo sobre isso muito em breve. Ou seja, chá de fraldas é dispensável aqui).
Ufa, acho que é isso. Eu conheço muitas, muitas pessoas que fazem uso desses itens, que acham indispensáveis, ou que não sabem que existem outras formas de agir, de tanto que essas ideias já estão impregnadas no nosso subconsciente. E tudo bem, é a vida delas. Mas aqui, na nossa vida, por escolha minha (e do marido), não teremos. Se eu tivesse mais pessoas que compartilhassem da mesma opinião que eu (oi, amigas virtuais, quero todas vocês do lado de cá!) ao meu redor, com certeza poderia fazer um chá de bençãos, ou um chá da mãe hippie (hahaha acabei de inventar essa!). Mas eu não posso introduzir essas ideias assim do nada na cabeça alheia, pedir que todos achem legal e fim de papo. Estou aberta para conversar e trocar experiências sempre, mas pedir que todos dancem no meu ritmo, quando claramente ninguém ainda nem ouviu a música, não é pra mim. 
arquivo pessoal
*festa essencialmente feita para ganhar presentes, apesar de muita gente fazer para reunir os queridos e comemorar a chegada do bebê, eu sei. Aliás, quem sabe eu não faça um lanche qualquer, sem nome nem nada, só pra juntar os amigos mesmo? 
ps: se as colegas de marido ainda quiserem fazer o tal chá pra mim no mês de maio, terei que dizer sim que não precisam comprar certas coisas.
ps2: caso alguém não saiba das minhas intenções e me presenteie com um dos itens que não acho essenciais (principalmente mamadeira ou fralda descartável) não vou fazer cara feia nem dar sermão em ninguém. Mas me reservo o direito de colocar no fundo da gaveta ou, se perceber que não vou mesmo usar, doar a quem precisa. 
Anúncios

44 Comentários

Arquivado em chá de bebê, conversando, escolhas, maternagem, minha opinião