Arquivo da categoria: maternagem

Um novo tempo

Domingo, 21 de maio, Agnes mamou quando acordou. Tomamos café da manhã, ficamos por aqui e depois saímos pra almoçar. Depois fomos ao shopping e ela ficou brava por algum motivo – que, na verdade, era sono. Ninei e disse que ela ia dormir sem mamar, só com carinho e colo, ela perguntou porque, eu disse que o mamá estava acabando. Ela aceitou, fiz carinho na barriga, com ela no colo e então ela dormiu.

Já faz dias que estou falando que o mamá está acabando. Não digo que já acabou, porque não quero mentir. Mas estava conduzindo assim rumo ao fim. Tinha dias que ela aceitava mais, outras menos. Teve um dia, alguns dias antes disso, que ela ficou o dia sem mamá e depois teve 2 escapes de xixi, achei que estava indo rápido demais. Mas a verdade é que pra mim já tinha chegado num limite. Eu não estava mais tão confortável em amamentar, ela mamava de fato muito pouco, ficava mais com o peito na boca, isso quando não prendia o dente e depois ficava até marcado, doía muito. Não estava mais prazeroso, era mais uma comodidade nossa, coisa que não sabíamos direito como mudar por nunca termos nos relacionado sem isso.

No dia seguinte, segunda-feira, ela mamou um pouquinho só de manhã quando ainda estávamos dormindo. Essa é a mamada mais difícil de tirar, eu acho, porque ela mama ainda sonolenta, eu também estou mais dormindo do que acordada. Mais difícil tirar essa do que a da hora de dormir, na minha opinião. Aliás, já consiguia fazer ela dormir sem mamá há alguns meses. Não era todo dia, mas rolava tranquilamente. Enfim. Ela mamou um pouquinho e depois eu tirei, ela reclamou um pouco mas logo disse “eu não mamo mais? Agora só carinho e abraço?”. Eu concordei, ela me abraçou e assim dormimos mais 1 hora.

O dia todo ela nem tocou no assunto. Quer dizer, quando saí do banho, ela me viu colando a blusa e disse de novo: eu não mamo mais, né, mamãe? Sim, filha. Você está crescendo e agora estamos descobrindo novas formas de chamego. A mamãe foi muito feliz em te amamentar por todo esse tempo, mas agora é uma nova fase. Você sempre vai ter o carinho e o colo da mamãe, do papai. E ela completou: e da vovó e do vovô. Sim, filha, deles também.

E foi isso.

A noite ela acordou chorando e dei um pouco só, porque ela pediu, tipo um minutinho, depois tirei e fiz carinho. Terça não mamou nada. Quarta só colocou a boca no peito de manhãzinha por um minutinho de novo. De vez em quando ela pede, tipo quando tá com sono, mas é só eu lembrar do carinho que ela aceita tranquila e logo dorme.

E foi assim que eu fui percebendo que nosso tempo havia chegado, que um ciclo estava se encerrando para iniciar outro, ainda desconhecido por nós.

Desde janeiro eu estou “ensaiando” começar esse processo, porque realmente estava cansada – não era um cansaço físico da rotina, era do ato mesmo. Mas fui aos poucos, sem pressa. Comecei a falar pra ela que em algum tempo o mamá iria acabar, que ela estava crescendo, que iríamos chamegar e estar juntinhas de outras formas. Conversava muito com ela, mas não estabeleci limite, nada. Fui apenas sentindo. Há 1 mês, mais ou menos, comecei a ser mais constante no processo, falei várias vezes pra ela, mas horas depois ela pedia pra mamar de novo e eu dava, porque percebia que ainda não era o momento. Não era todo dia que eu fazia isso, não estava “empenhada” em desmamar, mas sabia que tinha que ir falando com ela, com a gente é tudo na base da conversa, sempre foi, e eu sabia que em algum momento ela entenderia e aceitaria. Domingo eu fiz o que fazia antes e ela aceitou tranquilamente, então acredito que foi o tempo dela também.

Hoje é quinta-feira, o quinto dia que ela não mama mais. Ainda estamos nos adaptando, mas acho que já posso dizer que sim, um novo tempo começou aqui nós. Foram 2 anos e 10 meses de aleitamento materno, 6 meses de forma exclusiva, quase dois anos de livre demanda total. E eu sou muito, muito, muito feliz e me sinto muito grata por ter vivido isso com ela.

Deixe um comentário

Arquivado em acontece comigo, Agnes, amamentação, coisa linda, confirmação, contando a novidade, desenvolvimento, desmame, maternagem, maternidade possível

Carta do dia: todo dia um tijolinho

Filha,

eu me lembro de quando você era recém nascida e não aceitava outro colo além do meu. Eu me lembro de você só dormir com o meu cheiro. E a cena de você na cama com a cabecinha virada pra mim, enquanto eu estava deitada de lado, apoiada no cotovelo, velando seu sono, ainda é muito viva aqui na minha memória. “Olha, ela quer mesmo dormir com você do lado”, minha mãe falou nesse dia e eu sorri feliz. Porque sim, você queria isso, e eu também.

É uma das coisas que me faz sentir mais poderosa na vida: te fazer ficar calma só por estar ao seu lado, abraçada com você. E eu sempre estarei, meu bem. Enquanto você quiser, enquanto eu puder, estaremos caminhando lado a lado. 

“Eu sou sua amiga e você é minha amiga também, mamãe”. Você sempre me diz e eu sempre agradeço por viver essa parceria maravilhosa que estamos construindo juntas. 

Sabe, filha, não é muito fácil ser mãe. Existem as barreiras do mundo, as minhas próprias barreiras e as suas também. Quando todas se encontram no mesmo dia, bem, vamos apenas dizer que não é a primeira fase mais fácil do video game. Ser mãe é aprender enquanto somos, porque não existe curso, não existe filme, não existe absolutamente nenhuma teoria que chegue perto de explicar o que é viver esse amor e esse cansaço todos os dias. Todos os dias. Eu não sei porque inventaram que as mães tudo sabem e tudo suportam, porque não é verdade. Nós somos muito humanas e não precisamos dar conta de tudo. Eu não dou. Temos a nossa rede de apoio, a nossa pequena vila que nos sustenta e ampara também todos os dias. 

Ser mãe é uma construção diária. Não tem um dia que a gente fale: agora eu sei. Porque estamos todos – eu, seu pai, você, o mundo – em constante movimento e evolução. Temos as fases de expansão e as fases de contração, assim como o universo – esse mesmo universo que a gente pensa que é só lá no céu, mas que está aqui em nós também. Ou seja, é sempre uma novidade e aquele frio na barriga das primeiras vezes (de emoção e pavor). Todos os dias a gente coloca um tijolinho nessa relação. Todo dia abrimos uma janela e olhamos lá pro céu. Todo dia abrimos a porta pra sentir o ar lá fora. Pequenas coisas que vão nos levando pra perto de ser quem verdadeiramente somos – e nos trazendo para o lugar que devemos estar: o momento presente. Essa é uma das coisas mais valiosas que você tem me ensinado, desde o primeiro instante em que saiu de mim. Estar no aqui e agora, respirando, vendo, sentindo com o corpo inteiro, porque é o único lugar onde as coisas acontecem.

E por mais cinza que tenha sido o dia e a mente esteja divagando em outros tempos, basta que a gente deite juntas abraçadas pra me fazer voltar e perceber: nós duas respirando juntas pra fazer ficar tudo bem.

Hoje é dia das mães e eu te agradeço por me fazer ser. 

Toda a minha gratidão e reverência pelo que estamos vivendo juntas.

com muito amor,
mamãe

Deixe um comentário

Arquivado em acontece comigo, Agnes, amor, dia das mães, maternagem, maternidade possível, ser mãe

Continue a nadar…

Nem sempre eu consigo ser a mãe que eu gostaria. Acho que acontece com todo mundo, né? Para vários papeis, aliás. Nem sempre conseguimos ser quem gostaríamos de ser. Como você lida com isso? Algumas vezes eu relaxo, algumas vezes eu choro, entro numa concha e só quero sair de lá quando tudo estiver resolvido. Como é que as coisas vão se resolver se eu não estou lá pra fazer isso? São questões. Ainda bem que logo eu me lembro disso e saio do limbo pra tentar me mexer, nem que seja um pouquinho.

Ficar pensando em tudo que gostaríamos que fosse nos tira do presente, que é o lugar onde tudo acontece. Essa manhã foi assim. Poxa, por que é tão difícil as vezes? Enquanto eu pensava nisso, minha casa continuava de cabeça pra baixo, a louça estava na pia, não tive paciência de ficar muito tempo brincando lá fora e ainda soltei uns dois gritos, que me fizeram chorar um pouco. Tudo isso porque eu não estava conseguindo fincar meus pés aqui nesse hoje e fazer o que eu pudesse para alterar o quadro.

Quando acontece isso, de eu perceber que estou numa espiral, deixo pra lá qualquer coisa que eu “tivesse” que fazer. Coloquei uma música e dancei e cantei com a pequena na sala. Não foi muito, sabe? Mas ajuda bastante a me dar um novo fôlego. Agora, sim, posso ir arrumar a zona, já tem um pouco mais de energia circulando pelo meu corpo, e não estagnada.

Existe os dias em que eu queria uma escola pra ela meio período, queria que ela dormisse, queria distância. Sim, é necessário, pra nós duas. Mas eu não posso me esquecer que a companhia dela me coloca em constante movimento, todo dia. Que as coisas que ela fala me fazem rir. Que o olhar que ela tem sobre a vida me traz uma leveza gostosa. Que foi por esse tempo presente que eu fiz muitas escolhas lá atrás. A realidade que tenho foi muito desejada. Não quero mudar tuuuudo, só alguns ajustes aqui ou acolá. E ter isso em mente me tranquiliza. Não é preciso mudar tudo, afinal.

Ufa.

Está tudo bem em rir da bagunça da minha casa. Tá tudo bem ficar no whats com o marido planejando uma mudança e deixando a filha mandar áudios pra ele. Tá tudo bem ir na página do meu próprio projeto ler umas mensagens que eu mesma escrevi, mas ao que tudo indica, já esqueci.  Ou fazer pipoca antes da faxina. E sentar pra ver desenho com a filha, mesmo que eu esteja na batalha pra diminuir a tevê. Nem sempre a maternidade vai fazer sentido. Mas aonde é que só existe isso? A gente pode mudar nossas próprias regras, nem que seja por um dia só. Na vida nada é, tudo está. As coisas não são tão definitivas quanto a gente pensa. Continuemos a nadar, e logo estaremos em outro lugar. Eu acredito nisso. Ser uma mãe possível é muito melhor do que viver sofrendo pelas expectativas não alcançadas. Sejamos.

2 Comentários

Arquivado em acontece comigo, ajustando a vida, buscando solução, eu mãe, maternagem, maternidade possível, vamos rir pra não chorar, vida real

O meu tipo de mãe

Esses dias vi algumas queridas escrevendo sobre o “tipo” de mães que elas eram e achei bem legal. Porque, né, é sempre bom recordar que não existe modelo perfeito, o ideal morre pra nascer a realidade e nem sempre a realidade é o que ouvimos ou vemos ou acreditamos ser até o dia que chega a nossa vez. Então, para me lembrar disso e incrementar essa corrente divertida, também vou brincar, vamos lá.

Eu sou a mãe que não tem rotina definida com a filha.
Que liberou a tevê sem culpa depois dos dois anos (porque antes era com um pouquinho de culpa, na verdade, rs), mas alguns desenhos seguem sem o conhecimento da pequena. Que assiste série com o marido enquanto ela brinca pela sala.
Eu sou a mãe que quer um quintal e mora num apartamento de 35 m². Que tem que sair pra respirar, porque ficar o dia inteiro aqui dentro enlouquece.
Eu sou a mãe que ainda não colocou a filha na escola, mas que também não faz mil e uma atividades lúdico-pedagógicas-sustentáveis. E tampouco sigo disponível para brincadeiras o dia inteiro, porque de vez em quando a prioridade sou eu. E que bom que existem os avós pra dividir a atenção e salvar o fim do dia.
Eu sou a mãe que leva a pequena pra brincar lá fora num pedacinho de grama e terra e aproveita pra ficar descalça também, porque é o jeito que eu me sinto bem e mais presente. Que deixa a filha pintar com guache no corpo (seu e dela), que larga tudo pra dar colo quando a coisa aperta e que tenta se lembrar de respirar fundo pra não gritar. Mas que já gritou também.
Eu sou a mãe que levou a filha de 2 anos numa pré-estreia de cinema, numa sessão que começava meia noite, porque sabia que seria melhor ficarmos juntos (pai, mãe e bebê). E foi incrível porque ela correu todo o tempo em que estávamos lá fora e dormiu assim que o filme começou. Porque eu sou a mãe que tenta conciliar as demandas da pequena com as próprias vontades. Tem sido assim e a gente até que tem encontrado algum equilíbrio e leveza pelo caminho.
Eu sou a mãe que de vez em quando cisma que tá fazendo tudo errado e tem vontade de mudar de casa, de cidade, de estado. Que chora quando ela dorme pensando que podia ter sido melhor. E que no dia seguinte se entrega um pouquinho mais, e assim descobre que a balança é muito difícil de se manter equilibrada, puta merda.
Eu sou a mãe que leu todas as teorias antes de engravidar e que guardou a maioria delas na gaveta depois que pariu, porque foi percebendo que a coisa mais eficaz é investir na relação, e isso a gente faz no cotidiano e os livros não dão conta da complexidade e imensidão que é uma vida com uma pessoinha ao lado. (e quem disse isso é a mãe que está se descobrindo escritora e tá aqui praticamente falando mal dos livros, vão vendo a loucura dessa mãe).

E tanto mais. Céus. Eu sou a mãe que descobriu que tem muitos interesses e paixões, para além do mundo infantil, que sempre fez (e faz) tanto sentido pra mim. E que ainda não sabe muito bem o que fazer com tudo isso, como encaixar tudo dentro de uma mesma vida. Mas que segue tentando. Ressignificando. Cuidando de quem é. Porque é disso que a travessia é feita. Pelo menos é o que ela acha.

E você, como se vê na maternidade?

1 comentário

Arquivado em acontece comigo, ajustando a vida, aprender, autoconhecimento, desabafo, dia a dia, escolhas, eu mãe, leveza, maternagem, minha opinião, vida real

O poder da relação

Como a maternidade sempre foi uma vontade muito grande, e como descobri o universo dos blogs bem antes de tentar engravidar, embarquei em muitas leituras e, consequentemente, em muitas teorias – todo tipo, desde as que englobam a gestação até as que falam da primeira infância. Algumas realmente fizeram muito sentido pra mim e as apliquei na nossa vida tão logo engravidei. Mas foi só a Agnes nascer que as coisas mudaram de ordem na minha cabeça e eu só fazia enxergar aquele pacotinho que se aninhava no meu colo e cabia direitinho no meu braço. Era o começo da nossa relação.

Essa coisa que é inteira prática, vivência, movimento. É a vida acontecendo, a despeito de qualquer coisa, sem qualquer tipo de ensaio. E foi aí, parando pra pensar sobre isso, e também depois de assistir ao documentário “O começo da vida” que caiu a ficha de uma vez por todas: as regras não existem. Não desse jeito engessado que muitas vezes a gente quer enxergar.

No documentário, uma mulher da periferia trabalha de babá e deixa a filha aos cuidados de outra pessoa o dia inteiro. Eu não preciso reproduzir aqui todas as frases de julgamento que cabem nesse exemplo, mas sabemos que elas existem e não são poucas. E aí tem a cena dela voltando pra casa com a filha no colo, conversando, perguntando como foi o dia, se comeu tudo na escola e tudo mais. Isso é relação. É esse encontro, essa conversa, esse ouvir, essa troca. Tô falando que a vida delas é linda, maravilhosa, perfeita, podem ficar assim pra sempre? Não. Tô falando que ela nunca briga com a filha, nem tem vontade de fugir pras colinas de vez em quando? Também não. Estou falando que ali, no meio da rotina insana de todo dia, existe uma relação sendo construída. Passando por cima de absolutamente todos os fatores que poderiam ser diferentes, ela está sendo construída. Isso acontece com aquela mulher, acontece comigo e com a Agnes, com você e seus filhos,  também foi assim com a gente e nossos pais. Simplesmente acontece.

Existem muitos filmes que trazem exemplos de como é importante, principalmente para a criança, o fortalecimento da relação e do vínculo. (Adoro Diário de uma babá, rs). Aqueles filmes que as crianças vão passar uma temporada, ou ficam sob a responsabilidade de um adulto que não faz muita ideia de como é cuidar de uma criança, ou que não as queriam ali. E aí eles vão convivendo, se estranhando, fazendo coisas bem erradas, de arrepiar os pelos da nunca de muita mãe e pai que gosta de uma segurança e um controle. E as coisas vão acontecendo e vai dando tudo certo, no fim das contas. Podem ser romanceados, mas ainda foco na questão do vínculo.

Isso me faz pensar tanto, em tanta coisa.
Como estamos construindo nossa relação com os nossos filhos? Estamos com o pensamento só no amanhã, tomando decisões visando somente um futuro brilhante, saudável e incrível, o que é ótimo também, mas a pergunta de um milhão de dólares é: como vocês estão hoje? Está valendo a pena? Tem vontade de jogar alguns padrões e teorias pro alto, pelo menos de vez em quando? Está conseguindo conversar com seu filho, escutar o que ele tem a dizer (sem terminar suas frases)?

A questão não é se estão brincando ao ar livre ou com monitoras, se estão comendo orgânico ou na lanchonete da esquina, se está na escola ou viajando o mundo. Não é sobre dicotomias que excluem todo o resto. É sobre vocês dois, sabe. Sobre a família toda. Sobre se olharem nos olhos, se abraçarem, se saberem seguros para expressarem quaisquer sentimentos que surgirem.

Não estou escrevendo este texto para apontar dedos ou para ser “mais uma coisa obrigatória no pacote da maternidade ideal”. É o contrário disso. É só para lembrar que tá tudo bem ser quem a gente é. Que tá tudo muito bem em ser quem podemos ser hoje. A gente sempre pode ajustar o olhar e mudar algumas pequenas cenas cotidianas quando algo incomoda ou pesa nos ombros ou na consciência, claro que pode. Mas tá tudo bem. Me senti muito mais leve quando deixei algumas expectativas pelo caminho. Venho seguindo com mais calma, ainda precisando de uns lembretes de vez em quando, mas bem mais tranquila com a vida que está acontecendo aqui pra nós.

Deixe um comentário

Arquivado em estive pensando, maternagem, presença, reflexão, vida real

Pequena nota sobre um dia qualquer

A pequena acordou 1:30 da manhã e, ao invés de só mamar e dormir novamente, como sempre, despertou de vez. Ainda estávamos acordados, quase indo dormir, então foi um desencontro de energias total. Finalizamos o que estávamos fazendo e deitamos juntos, com as luzes todas apagadas, mas ela não dormia. Falava, cantava, subia em cima da gente, mamava, rolava pra lá e pra cá. Tive a impressão de passar a noite inteira em claro, mas sei que dormi em alguns momentos. Quando ela está agitada assim eu não descanso nada – imagina ela! Será que é salto? Acordei com ela fazendo as mesmas coisas do início da madrugada, me irritei. A vontade era de enterrar a cara no travesseiro, gritar, exigir que me desse uma trégua. Eu queria muito um tempo sozinha, sem ninguém me escalando ou falando sem parar. Levantei da cama de uma vez e entrei no banheiro. Queria silêncio. Ela ficou lá conversando com o pai, que ainda tentava dormir mais um pouco. Eu estava com cólica, dor nas costas, isso sem contar a cabeça pesada pela falta de sono. Entrei no banho. Deixei a água cair nas costas, me deixei ficar ali um tempinho. Depois fiz café, troquei sua fralda e seguimos conversando. Ela disse alguma coisa – não me lembro o que – e percebi que já não estava mais nervosa como quando levantei. Estava cansada, mas não irritada. Rimos juntas, comemos. E o dia seguiu assim – ora eu precisando de algum espaço, ora estando junto para o que estivesse acontecendo. A balança pesando bem menos pro meu lado, mas era o que tinha pra hoje. Chegamos ao fim do dia sem gritos. A noite chegou e eu estava bem. O que havia acontecido na madrugada tinha ido embora pelo ralo, naquele banho da manhã. Só o que restava era a gente seguindo nosso ritmo.

Me dei conta (de novo) de como é importante deixar os sentimentos virem e que, ainda mais importante, é deixá-los irem embora também. Não preciso me prender a isso o dia todo – seja lá o que for. Feliz por ter acolhido nós duas hoje. Não precisa ser totalmente do jeito que eu quero para ser satisfatório. Por hoje eu aprendi.

Deixe um comentário

Arquivado em acontece comigo, como lidar?, maternagem, presença, reflexão, um dia de cada vez

Momento instagram

O tempo fica curto por aqui, eu fico me sentindo mal (?) porque o blog fica abandonado, então vamos de repeteco do instagram porque o importante é fazer a roda-viva girar e deixar todo mundo feliz, né não? Venham comigo nas minhas últimas andanças por lá.

 

 Fast food

 retrato da artista quando jovem

 

 O que acontece quando a gente resolve seguir um sonho apesar de todas as “desculpas” que surgem para tentar atrasar as coisas? A verdade é que a muitas vezes a gente mesmo se sabota sem saber direito porque – e não raro nos sentimos numa bola de neve, enrolados em nossas próprias bagunças. Diante disso, escolhi seguir em frente mesmo sem saber, mesmo com receios e mesmo nas adversidades. O esquema é um passo de cada vez, todo dia. E ó, tem sido uma experiência muito bacana. Respondendo a pergunta do começo, acontece a felicidade e a descoberta de que, sim, podemos fazer qualquer coisa que quisermos. Basta ir. (E daqui 1 mês eu volto pra contar o que estou aprontando por aqui).

 “Filha, adoro o seu olhar. Desde sempre você olha fundo nos nossos olhos, sem medo, de um jeito muito forte. Já escutei isso em fila de banco, inclusive: “nossa, ela tem um olhar forte, né?”. É, você tem. E eu amo isso. Também gosto muito do fato de que, com você, tenho aprendido a olhar as coisas com mais leveza. Sabe, filha, tudo está em constante movimento no mundo e nossa casa não é diferente. Eu poderia vir aqui registrar a bagunça que está os nossos dias ultimamente e o quanto estamos buscando acertar os ponteiros. É a vida real acontecendo sem filtros. Mas também está acontecendo que eu parei um pouco de reclamar primeiro para fazer depois. Tenho gostado de pensar que essa bagunça faz parte do caminho, afinal. Nem todos os dias eu consigo me dedicar a você como antes, e mesmo assim nossos momentos tem sido gratificantes. É lindo ver o quanto você tem crescido. Estamos construindo nossa estrada com as nossas próprias mãos. Cansa pra caramba, mas tem sido bom demais. Obrigada pela companhia sempre. E pelo seu olhar, que constantemente melhora o meu. 

Com amor, mamãe”

1 comentário

Arquivado em acontece comigo, dia a dia, instagram, maternagem, sobre mim, vida real

Sobre escolhas. Ou, porque não farei chá de bebê

Uma das perguntas que a gente mais ouve quando fica grávida é: e aí, vai fazer chá de bebê? A minha resposta, como dá pra saber só de ler o título da postagem, é não. “Ah, mas faz chá de fraldas, você vai precisar bastante”, podem dizer. A reposta, sinto dizer, também é não. E então que achei legal escrever um pouco mais sobre isso.

Primeira coisa que acho bom pontuar: não tenho nada contra chás de bebê. Sério. Podem me chamar pros seus chás, inclusive, rs. A única coisa que não suporto são aquelas brincadeiras que pra mim são chatas, tipo pintar barriga (e a cara e todo resto) com batom, pagar mico se errar qual o presente, sair na rua toda horrorosa, etc, mas até aí tudo bem, porque se eu fosse fazer um chá não teriam brincadeiras desse tipo. E se você teve um chá assim e amou, tudo bem também, eu estou falando exclusivamente de mim agora; e apesar de ser do signo de leão, com ascendente em leão, não gosto muito de estar no centro das atenções, essa é que é a verdade, então essa nunca foi uma opção de festa pra mim. 
Dito isso, vamos falar um pouco sobre escolhas. 
Eu adoro que sejamos pessoas livres para decidir o melhor caminho para nossas vidas (tudo bem que, muitas vezes, diante de muitos assuntos sérios, não podemos efetivamente escolher, mas conversamos sobre isso outro dia, hoje quero que o assunto seja mais leve mesmo). 
E eu já fiz algumas sobre como vou exercer a minha maternagem. Minhas escolhas foram feitas depois de muitas pesquisas e leituras, por afinidade de valores e por ver que se encaixavam bem com o que eu acredito e, também, pela forma como levo a vida. Acontece que muitas delas se chocam totalmente com o senso comum. Com o que é amplamente falado pelas nossas tias, vizinhas, desconhecidas e listas de internet como “essenciais” e “necessários” para todos os bebês e suas mães. Ou seja, com o que é usado pela esmagadora maioria das pessoas. 
No começo da gravidez eu ainda não tinha descartado completamente a ideia de fazer um chá pro baby. Nem tava pensando muito nisso na verdade, estava deixando as coisas rolarem. Até que um dia marido chega do trabalho contando que suas colegas disseram que faria um chá de bebê pra mim. Ele disse que não (porque ele é contra essa coisa de festa “só pra ganhar presente”, haha), mas elas disseram que fariam mesmo assim. Eu falei “ah, amor, deixa fazer, tem nada não” e emendei “mas fala pra elas que não precisa levar isso, nem aquilo, muito menos aquilo outro”. Aí eu parei, pensei e completei: “é, melhor não fazer nada mesmo, né?!” e caímos os dois na risada. E foi aí que caiu minha ficha: não dá pra fazer um chá de bebê, que é uma festa para se ganhar coisas*, essencialmente, e colocar uma lista enorme de itens vetados, proibidos, e poucos (diante da gama dos proibidos) permitidos. Isso não é legal, isso não é bacana. 
Dando uma olhada por cima aqui na internet, apenas para fins de sanar minha curiosidade, vi umas duas listas de presentes nos chás de bebê. Não cheguei a contar, mas acho que dá pra dizer que pelo menos metade da lista seria vetada por mim, outra parte pode deixar que eu mesma compro (lixeira pro quarto, lençol avulso… sério que tem isso também? desculpem, mas acho completamente desnecessário pedir esse tipo de coisa) e sobraria bem pouco para os convidados trazerem. Não é justo. Nem com as pessoas, nem comigo. Porque quem fez as escolhas fui eu, então sou eu quem tem que bancá-las. 
Outra coisa, além de ser chato essa coisa de “traz isso, nem pensar em trazer aquilo”, eu teria que explicar essas minhas escolhas para pessoas que, infelizmente, não estão abertas às minhas respostas. Iam achar que é frescura, ou que é moda, ou dizer aquela frase que eu amo #sóquenão: “você diz que não quer agora, deixa nascer pra você ver”. Vocês já sabem a minha opinião sobre o pitaco, então nem vou comentar. 
Não se trata de expectativas desmedidas ou “seguir moda”, como gostam de falar, até porque ninguém tem que seguir ninguém, as pessoas apenas se identificam, ou não. E o mais importante, pra mim: o fato de ter escolhido essas coisas não quer dizer que condeno todas as outras. Cada um com seu cada qual, já dizia o poeta, rs. Precisa haver diversidade para que possamos escolher, não é mesmo? Eu apenas não quero ir pelo caminho mais comum, mais óbvio, mais usado, porque eu sou assim mesmo, não tem jeito. Se não der certo a gente reajusta as coisas, mas só quem poderá tomar essa atitude sou eu, depois de vivenciar as experiências que optei viver, e não agora. Não tenho motivos para comprar nada disso antes dela nascer e antes de saber realmente como as coisas vão funcionar por aqui. 
Mas que raios de escolhas a mulher fez, meu pai, pra não querer nada da bendita lista? Alguém pode estar se perguntando. Daria para fazer um post sobre cada coisa – e pode ser que aconteça, qualquer hora dessas, num humilde blog perto de você. Por hora vou listar aqui, de modo bem simples mesmo, o que eu não vou comprar pro enxoval da minha pequena moça:
– Mamadeiras (céus! nas listas tem tantos tipos que eu nunca ia conseguir decorar);
– consequentemente, excluímos também os tipos variados de bicos para mamadeira, bem como aquecedor, escorredor, pinça, escova e não sei mais o quê para mamadeiras;
– chupetas;
– nada que tente substituir o peito e o leite materno;
– kit berço pra juntar pó e nos fazer espirrar (porque não teremos berço, rá!);
– mil opções de travesseiros para mil coisas diferentes;
– babá eletrônica (não há nenhuma necessidade, visto que dormiremos no mesmo quarto);
– absolutamente nada de personagens (bebês não precisam de personagens. fim.);
– cremes antiassaduras;
– lenços umedecidos;
– fraldas descartáveis (sim, pirilim, o enxoval de fraldas de pano modernas já está sendo feito, e falo sobre isso muito em breve. Ou seja, chá de fraldas é dispensável aqui).
Ufa, acho que é isso. Eu conheço muitas, muitas pessoas que fazem uso desses itens, que acham indispensáveis, ou que não sabem que existem outras formas de agir, de tanto que essas ideias já estão impregnadas no nosso subconsciente. E tudo bem, é a vida delas. Mas aqui, na nossa vida, por escolha minha (e do marido), não teremos. Se eu tivesse mais pessoas que compartilhassem da mesma opinião que eu (oi, amigas virtuais, quero todas vocês do lado de cá!) ao meu redor, com certeza poderia fazer um chá de bençãos, ou um chá da mãe hippie (hahaha acabei de inventar essa!). Mas eu não posso introduzir essas ideias assim do nada na cabeça alheia, pedir que todos achem legal e fim de papo. Estou aberta para conversar e trocar experiências sempre, mas pedir que todos dancem no meu ritmo, quando claramente ninguém ainda nem ouviu a música, não é pra mim. 
arquivo pessoal
*festa essencialmente feita para ganhar presentes, apesar de muita gente fazer para reunir os queridos e comemorar a chegada do bebê, eu sei. Aliás, quem sabe eu não faça um lanche qualquer, sem nome nem nada, só pra juntar os amigos mesmo? 
ps: se as colegas de marido ainda quiserem fazer o tal chá pra mim no mês de maio, terei que dizer sim que não precisam comprar certas coisas.
ps2: caso alguém não saiba das minhas intenções e me presenteie com um dos itens que não acho essenciais (principalmente mamadeira ou fralda descartável) não vou fazer cara feia nem dar sermão em ninguém. Mas me reservo o direito de colocar no fundo da gaveta ou, se perceber que não vou mesmo usar, doar a quem precisa. 

44 Comentários

Arquivado em chá de bebê, conversando, escolhas, maternagem, minha opinião