Arquivo da categoria: segundo tri

Cá estamos nós …

… prestes a completar 28 semanas de fabricação de pessoa aqui na barriga. Continuo com a clara sensação de que o tempo resolveu galopar em direção a julho, cada dia parece que passa mais rápido, nossa! Mas tá gostoso e tá dando pra curtir um bocado essa fase, é muito delícia!

Como deu pra perceber no post anterior, eu estava (estou…?) imersa num mar de introspecção, questões e outras coisinhas mais. Aliás, muitíssimo obrigada pelos comentários e pelo apoio, mesmo! Andava com a cabeça cheia, dormindo mal, pensando e fazendo várias coisas, minhas olheiras já estavam de panda, rs. Dia seguinte tive um encontro com uma doula linda, linda. Conversamos por 1 hora e meia, e eu percebi o quanto estava precisando daquilo. Conversar com alguém bem de fora, mas que fosse capaz de entender a minha visão de mundo etc e tal. Foi ótimo!! Saí com dicas para dormir melhor, uma respiração para acalmar e me sentindo bem mais leve. Acho que relaxei. Eu já tinha entendido e percebido claramente que precisava desacelerar o ritmo, que vinha de uma fase super frenética, e esse encontro só ajudou. Aí, ainda naquela semana, a roda começou a girar e as coisas estão acontecendo, finalmente, e se encaixando do jeito que tem que ser. Não do jeito ideal, óbvio. Mas do jeito que é pra ser agora. 
Ainda no feriado de Páscoa eu havia decidido que essa seria minha semana de descanso e de cuidar de mim, e assim está sendo. Já estava na hora de voltar minhas atenções pro que que tá rolando aqui dentro – física e psicologicamente, e incrível como esses pequenos nos dizem mesmo quando é hora de acelerar e quando é hora de dar uma pausa. Está sendo muito bom. Meu sono e minha alimentação já melhoraram super. Um dia de cada vez, naquele esquema que funciona por aqui. Corpo e mente agradecem – e a pequena também.
Por falar nela, preciso registrar que tenho certeza absoluta que ela tá dançando frevo aqui dentro. Só pode ser isso. A pessoa mexe, se remexe, se revira interinha, não sei como não cansa, haha. Já ouvi muito algumas mães dizendo que seus bebês ficaram na posição de nascer (cefálicos) praticamente 100% da gestação, sem surpresas. A Agnes não. A Agnes gosta de tudo com emoção. No morfológico do 2° tri ela estava muito bem sentada, obrigada. Já aconteceu, em consulta, dela fugir do sonar. Ou de, enquanto a obstetriz está apalpando o útero ela estar numa posição, quando pega o sonar para auscultar, ela já ter mudado. Dá pra ver claramente ela fazendo festa aqui dentro, só de olhar pra barriga, e agora que eu sei identificar melhor os movimentos, dá pra saber que ela não tem paciência de ficar parada, não. E assim seguimos, sem saber se alguma hora ela sossega de cabeça pra baixo, ou se vai ficar no ritmo ragatanga até nascer (depois que nascer nem comento agora, abafa o caso, kkkkk). A parte fofa toda vida é a relação dela com o Cleber. Ele põe a mão, ela mexe, às vezes de leve, às vezes forte. Ele conversa, ela responde. Sério, é toda vez. E eu sempre acho lindo!

Com tudo isso, só tenho a dizer que ainda bem que não organizei um chá de qualquer coisa, porque seria mais ou menos nessa fase. Não estou com ânimo para festas, nem em ser o centro das atenções, definitivamente. As coisas realmente acontecem da forma certa, amém. Em compensação, vou aproveitar esses dias pra adiantar as coisinhas que eu mesma vou produzir pra pequena. Enrolei um monte, já tenho vários materiais, mas agora vou começar mesmo. Em breve vou fazer umas fotos da barriga, coisa que faço questão de registrar com lentes e olhar profissional. ❤

Finalmente desencantei na escolha do carrinho e do bebê conforto e consegui comprar \o/ Eu pensei que nem ia ter nenhum, visto que sou super a favor do sling, colo em livre demanda e tal e coisa. Mas para alguns momentos acho legal ter, sim. Então, depois de muita pesquisa e indecisão, optamos por um dos primeiros que eu tinha gostado (clássico isso, haha). O bebê conforto encaixa na base do carrinho, do jeito que eu queria. Um é vermelho e o outro é preto, mas e daí, né?! O importante é que eu gostei, haha. Comprei numa promoção na internet (mas já tinha visto e analisado os dois ao vivo, na loja) e quando chegou, montamos pra ver se estava tudo certinho. Quem disse que eu queria desmontar e guardar depois? hahaha. Ficou até o outro dia lá no quarto, depois colocamos na caixa de novo. 

A quem interessar possa, é o Loola Up, da marca Bebé Confort, e o bebê conforto da mesma marca 🙂
                              
Bebê conforto vermelho, pra arrasar por aí 😛

                                        
Pretinho básico 😉
Quanto aos sintomas físicos, tá tudo indo bem também. Apesar de estar meio cansada e ter sentido essa necessidade de ficar quieta agora, a barriga ainda não pesa, tá super tranquilo abaixar, levantar e lavar o pé 😛
No comecinho da gravidez, enjoei feio de café. Só voltei a tomar há pouco tempo, e só tomo no café da manhã, com leite. Mesmo assim tenho sentido que a pequena não gosta muito, não, então tô tentando diminuir ainda mais. E não sei se tem a ver com a minha calma, mas a vontade de comer doces diminuiu muito essa semana. Até enjoei um pouco esses dias, e foi quando percebi. Andei tendo muitos desejos doces, mas agora tá super tranquilo, tanto que nem abusei na Páscoa.
A barriga deu uma crescida, acho eu. Também, com tanta animação aqui dentro, ela precisa de espaço, hehe. Tenho passado bastante creme e óleos para tentar evitar ao máximo as estrias, e por enquanto tem funcionado. Não vou comemorar nada ainda, porque tudo pode mudar, e não vamos ficar falando pra não atrair, kkkk. Olha só como estamos:

semana passada, com 26 semanas e 6 dias


Ai, acho que é isso, por enquanto. Já já eu volto com mais trololó!
Tá tudo bem aí com todo mundo? 🙂

21 Comentários

Arquivado em acontece comigo, conversando, enxoval, mudanças, segundo tri, tempo

22 semanas!

Super oficialmente ultrapassamos a linha da metade da gestação, e agora sinto mesmo que está na hora de arrumar as coisas da pequena.

– E a primeira mudança já começou: compramos um armário novo… pra nós! hahaha. Como o quarto será compartilhado, algumas (várias) mudanças vão acontecer no recinto, e não dava pra continuar com o guardarroupa enorme que temos aqui. O jeito foi comprar um menor e praticar o desapego com algumas coisinhas, hehe. Em sequência vamos providenciar a cômoda dela e depois o “puxadinho” da minha cama, vulgo: bercinho co-sleeper, rs.

– Comecei as atividades físicas, que delícia!! Ginástica e exercícios aeróbicos um dia e hidroginástica no outro. Apesar de ter começado a pouco tempo, percebo que está me fazendo bem. E justo agora meus pés estão ficando um pouco inchados no fim do dia – coisa que não havia tido ainda – então é bom já estar em movimento.

– Desde quando engravidei, enjoei de café. Nunca fui muito viciada, mas tomava (com leite) uma vez por dia, de manhã. No começo, não podia sentir nem o cheiro, tinha que sair de perto mesmo, me embrulhava o estômago, coisa péssima. Aos poucos foi passando, mas nada que me desse coragem de voltar a tomar. Pois esses dias fiquei com vontade e tomei um pouquinho na casa da minha prima. Ah, que beleza não passar mal!! rs. 5 meses depois, consegui vencer essa parte. Mesmo assim achei melhor precaver e não tomo muito, só metade do que ingeria antes, mas adivinhem? Alguém aqui dentro fica ligadona com o dito cujo, já percebi. Ou seja, vou ter que dar uma segurada de novo, rs.

– Fizemos a morfológica do 2º trimestre na sexta. Quase fui atropelada (chorei um monte depois, mas foi só o susto mesmo, amém), quase perdi o horário na clínica porque o trânsito, que já é feio na sexta, travou bem mais. Mas enfim deu certo. E está tudo lindo com a nossa pequena Agnes! Sim, como já perceberam, confirmamos – mais uma vez – que quem está aqui dentro é a mocinha mesmo. Três máquinas, três médicos e três laboratórios disseram a mesma coisa, se estiver errado a culpa não é minha, vocês estão de prova, hahaha. As pitaqueiras tudo pira e, por mim, podem deitar na br dizendo que estou errada, tô nem aí pra elas (não tô encontrando com as piores delas, na verdade, para evitar a fadiga! rs).
Brincadeiras a parte, pelo exame está tudo dentro do esperado, graças a Deus. A danadinha estava sentada (de novo, ela muda toda hora, rs), com o rostinho bem embaixo do meu umbigo, ou seja, não deu pra ver direito, porque é onde faz uma sombra no exame. Fazendo umas poses muito doidas, quase uma mestre de yoga nível super master avançado. Deus conserve essa flexibilidade, haha. Saí de lá derretendo de amor, só pra variar um pouquinho ❤
E vejam só que lindeza o pézinho da minha modelete – vai puxar a mãe e ao padrinho (meu irmão) nos pés grandes, mas como minha mãe sempre me disse: “um pé grande para uma menina grande”, haha.

                                          

um pãozinho de 4 cm 😛

– Estou numa fase super reflexiva. Tenho revisto várias questões, tentando entender outras tantas, sentido um monte de coisas ao mesmo tempo. É uma felicidade sem tamanho estar vivendo tudo isso – e ir constatando, à medida que o tempo vai passando, que é real mesmo. Mas parece que junto vem uma tsunami de sentimentos. E eu, que já sou sensível por natureza, estou uma manteiga derretida. Choro fácil, por coisas grandes ou mínimas. É uma dualidade total. Ao mesmo tempo em que quero fazer mil coisas, super disposta, no dia seguinte já não quero conversar muito, quero mais é ficar no meu cantinho, pensando e me deixando levar pelo que vier. Eu sempre fui meio assim, de ficar na minha mesmo, nunca gostei de muitas aglomerações, e parece que isso se acentuou um pouco mais agora. Mas estou bem. Mais quietinha uns dias do que em outros, mas bem-bem.

Quinta passada foi um desses dias de silêncio, e veio junto uma certa melancolia, uma vontade de não-sei- o-quê. Depois minha mãe chegou, ficamos conversando um pouco e, quando vi, já estava rindo das peripécias dela para tirar fotos minhas, haha.

Enfim, acho que é isso.
Tenho pensado muito em voltar a escrever com mais frequência, voltar a estudar outras coisas, mas talvez ainda não tenha chegado a hora. Ou chegou e eu estou um pouco lerda mesmo. Quando eu descobrir, volto pra contar.

8 Comentários

Arquivado em acontece comigo, bem estar, conversando, gestante, segundo tri

A versão que ela gosta mais. Ou, temos um bebê interagindo agora!

Desde segunda (ou domingo a noite, se for pra ser exata), a pequena Agnes está muito quietinha aqui dentro. Praticamente não mexeu. Tipo, quase nada mesmo, apenas leves ondinhas, muuito raramente – na segunda passei o dia todo sem sentir na-da, só no fim da tarde deu um oi de longe, tipo aceno de miss, e fim. Ela não é uma bebê possuída pelo ritmo ragatanga que se mexe dia e noite sem parar, mas dá seus chutes e cambalhotas muito dos perceptíveis em sua piscina exclusiva, com a frequência que eu já conhecia muito bem. E aí com esse sumiço, a mãe, que é bicho encucado por natureza, já fica pensando como andam as coisas do lado de dentro da barriga e querendo saber detalhes do dia-a-dia da pequena. Mas como ainda não tem telefone na casinha dela, a gente fica com a boa e velha intuição e observação mesmo, né?!

Ontem a tarde me deu um estalo e lembrei que fazia tempo que não ouvíamos música juntas, sem fazer mais nada, só curtindo o presente. Dei um play na música que eu sei que ela gosta, fechei todas as outras abas do computador, deitei, fechei os olhos, e em menos de 1 minuto de música… tum! Alguém se manifesta. Depois de novo, e depois mais forte. Depois parou, e de alguma forma muito louca eu senti que ela tinha mudado de posição (não a senti mexer, só soube pela forma da barriga mesmo), e aí nos entregamos ao momento. Ficamos ali por uns 30 minutos, talvez um pouco menos, depois o interfone tocou e tive que ir atender o técnico da Net que tinha chegado (oi, vida real).
Mas sim, voltando ao assunto…
A música Debaixo D’água é velha conhecida no meio materno. Existem algumas versões dela, e eu particularmente adoro a versão do Arnaldo Antunes (que foi quem compôs a música, inclusive), no Acústico Mtv. Gosto do toque do teclado, das luzinhas… 
Mas aí, depois de grávida, ouvi novamente essa versão da Maria Bethânia e a pequena adorou!! Uma das primeiras vezes que eu a senti mexer foi ouvindo essa música, aliás. Dava pra notar uma diferença. Mas não é qualquer versão, minhas caras, porque filha minha é exigente desde o ventre. Não é só dar play em qualquer uma e pronto. Tem que ser uma versão específica, mais precisamente essa (não consegui colocar este vídeo específico aqui no post, blogger me trollando). Mas enfim, ela adora os tum-tum do comecinho. E a interpretação de Agora sempre me deixa com lágrimas nos olhos. E também ver os músicos tocando. E só o pedacinho do poema, no final, quando todo mundo já aplaudiu, também apetece minha menina.
E aí a mãe, que é bicho babão por natureza, faz o que? Ouve sempre, né?!
Foi muito gostoso “conversar” com ela ontem através dessa música – e das outras que ouvimos depois dessa. Foi um momento super especial, me fez bem e acho que ela curtiu também.

À noite ela ficou mais quietinha de novo. E assim permaneceu – acho que deve ter ido dormir o sono da beleza.
Hoje de manhã, o papai estava conversando com ela, fazendo carinho – aquele momento deles, que eu sou sempre excluída só expectadora. Dois segundos depois que ele tirou a mão… opa! algo se mexeu aqui! Uma ondinha de leve. Ele recolocou a mão e nada. Rimos e falamos que os bebês sempre fazem o que querem só quando querem mesmo. Ele voltou a conversar com ela, chamou… e dessa vez foi atendido. Ela ficava “respondendo” ao que ele falava, e eu não me aguentava de alegria! Acho que foi a primeira vez que ela se manifestou assim, tipo interagindo mesmo (tirando o episódio de ontem, hoje foi bem mais evidente). Depois ele foi tomar banho, eu fiquei deitada mais um tempo e a festa rolou solta aqui dentro. Ela fazia uns movimentos que pareciam umas ondas, ou cambalhotas talvez, mais fortes, tava muito engraçado. Parecia uma dancinha, rs.
Me diz, tem forma melhor de começar o dia?

E a mãe, que é bicho coração-mole-toda-vida, ficou rindo a toa. E agora quer dividir essas alegrias com todo mundo.

8 Comentários

Arquivado em amor, barriga, coisa linda, gestante, música, segundo tri, sentindo

21 semanas com algumas novidades

Hoje completamos 21 semanas de bebê sendo fabricado na barriga \o/
Se chegarmos até 42 semanas, estamos bem na metade, né?! Como é só ela que sabe a data, me contento em apenas me preparar ao máximo possível e deixar tudo arrumadinho (ou quase isso, rs). O resto vai ser na emoção mesmo, rs.
Mas não, ainda não temos tudo arrumado. Na verdade, quase nada! haha. Na minha cabeça ainda estava cedo, vê se pode! Agora acho que já posso começar a me mexer, rs. As mudanças no quarto acontecerão aos poucos, ainda não defini exatamente onde ela vai dormir e o enxoval ainda precisa engordar um bocado. Mas também prefiro que tudo se ajeite assim, no seu tempo. Já estamos conversando e decidindo alguns detalhes… Tô curtindo essa preparação.

E finalmente começarei meus exercícios tão sonhados!! #todascomemora que agora não serei assim tão menas, haha. Mas falando sério, fiz um repouso maior nessa gestação, tanto pela minha perda anterior, quanto por sentir que precisava ficar mais quietinha mesmo. Há umas semanas atrás me peguei querendo muito fazer algum exercício, mexer mais esse corpinho, mas aí foi difícil achar uma vaga, num lugar que eu pudesse pagar. Porque tudo pra gestante é mais caro, né?! rs. Eu sempre frequento a rede Sesc e ano passado fazia yoga e hidro lá, mas com tanto repouso que fiz na outra gestação, acabei perdendo a vaga (mas eram cursos “normais”, sem ser direcionado às gestantes especificamente). Como é muito concorrido, achei que não fosse conseguir dessa vez, já tinha até tentado, inclusive, e estava mesmo tudo esgotado. Mas aí, resolvi tentar mais uma vez e descobri um Programa de Gestantes, duas vezes por semana. Num dia é voltado pro yoga, algumas coisinhas básicas de pilates, alongamentos, respiração, etc. Em outro dia, exercícios na água. Tudo que eu queria! rs. Começo hoje, depois volto pra contar como está sendo.

Outra novidade…
ontem passei em consulta na Casa Angela. Sim, voltei às origens, rs. Até então eu não tinha ido, porque como me dou realmente bem com a minha médica, estava deixando as coisas rolarem. Na consulta de fevereiro conversei com ela, falamos muito sobre parto, e resolvi que iria voltar lá, pelo menos para ver o que meu coração me dizia. Como eu quero um parto com o mínimo de intervenções possíveis, num local acolhedor, com pessoas do bem ao meu redor, a Casa Angela é um lugar bem indicado mesmo. Não tem clima de hospital, é realmente uma “casa”. E como moro dentro do limite deles, mesmo não sendo no mesmo bairro, o atendimento pré-natal, parto e pós parto pra mim sai de graça. Ou seja, uma ótima pedida, rs.
Adorei a consulta, como sempre. Foi com uma EO que eu ainda não conhecia (acho que ela não trabalhava lá ainda, “na minha época”), super gente boa. Acho que a consulta durou mais de uma hora, foi bem completinha. Conversamos bastante e fiquei bem satisfeita. E na hora de ouvir os batimentos da mocinha, quem disse que ela parava quieta? haha. Começávamos a ouvir e ela mudava de lugar, uma danadinha mesmo, hehe. Mas sim, com a gente está tudo ótimo, graças a Deus.
E agora seguiremos com dois pré-natais, rs. A casa de parto está como plano A, por enquanto, mas se no final eu sentir que quero a Cátia comigo, por qualquer motivo meu, iremos pro hospital, sem problemas. Mas isso ainda veremos, na hora certa. Estou me sentindo bem tranquila com as duas opções, por me darem a segurança e o respeito que eu preciso.

Ah, sobre o último post, valeu mesmo a força, gente! Eu sou meio revoltada com gente que se mete além da conta onde não deve, apesar de sempre fazer minha cara de paisagem do windows, haha. Mas escrever sempre me relaxa, e acabei fazendo isso aqui no blog. Só vocês mesmo pra me aguentarem e ainda rirem comigo, rs. Estou numa boa agora, amém.
Semana que vem é dia de morfológica, aí volto pra contar se a Agnes continua sendo Agnes, se passou a ser AgnOs, ou se colocou uma plaquinha de “volte mais tarde, estamos em reunião decidindo alguns detalhes técnicos”, hahaha.

E claro, vamos a foto do dia (relevam a cara de sono da pessoa, ok? obrigada, rs).

21 semanas de amor bem crescente 🙂

7 Comentários

Arquivado em acontece comigo, ajustando a vida, Casa Angela, conversando, escolhas, segundo tri

19 semanas de nós duas

Oi, gente linda!
Hoje completamos 19 semanas. Uau, já é quase metade do caminho, né?! Ao mesmo tempo em que acho que está passando rápido, está dando pra curtir bastante a pancinha.
Agora minha moça se manifesta sempre, que delícia deliciosa sentir eles brincando dentro da gente, né?! Ainda não dá pra saber se são chutes, socos ou cambalhotas, mas sei que tem horas que a coisa fica divertida aqui dentro, haha.
Minha barriga resolveu que estava tudo muito fácil pra mim e agora coça muito. Não é o dia inteiro, mas incomoda um bocado. Não estou passando as unhas – o milagre do autocontrole, não sei como estou conseguindo, rs. Besunto creme e rezo um terço para que as estrias sejam carinhosas comigo e, se aparecerem, que sejam poucas e discretas, pelo amor de Allah (porque pedir pra não aparecer ia ser demais, né?! Apesar que não custa tentar, hehe).

E hoje também foi dia de consulta \o/
Marido foi comigo dessa vez, muito bom quando ele pode ir junto.
Nossa, gente, como é bom ter um atendimento humanizado. Eu sei que eu já disse isso em outros posts, mas vou repetir sempre: faz muita diferença. Já ouvi muita gente falar que vale por uma sessão na terapia e olha, não posso discordar, agora entendo totalmente. Falamos sobre parto, sobre escolhas, sobre empoderamento, e ouvi muita coisa que eu precisava nesse momento. Saí de lá com várias ideias e planos na cabeça, sem contar a força e o incentivo que recebi dela (e do marido também, claro, rs). Foi bem importante e é por isso que eu digo que faz diferença. Um atendimento onde a sua história de vida é respeitada e que o poder das escolhas e das decisões estão realmente com a mulher, sempre.
Sobre termos práticos: finalmente saí do peso em que estava quando engravidei, mas nada preocupante também. Barriga crescendo bem, pressão linda, coração da moça a todo vapor. Beleza pura de resultados. Em breve tem ultrassom morfológico, ieba!

Estamos pensando na configuração do nosso quarto compartilhado e… toda hora temos uma ideia diferente. Ok, admito, toda hora eu tenho uma ideia diferente. Mas como só vamos mudar os móveis lá pra abril/maio/junho/quando ela tiver 15 anos, dá tempo de mudar de ideia mil vezes pensar mais um pouquinho.
Já tenho algumas coisas para repaginar (mãos à obra!), e tenho pensado nas lembrancinhas de nascimento também, que vou encomendar com uma amiga.

Quero ver se retomo logo a yoga, que me faz muito bem, e estou combinando uns horários com minha mãe para fazermos caminhadas juntas, não todo dia, porque meu pé dói muito, por conta de um ossinho chato que tenho aqui, mas pelo menos 2 ou 3 vezes na semana acho que rola (eu já ando pra lá e pra cá, mas quero uma coisa mais regrada, digamos assim). Tô me sentindo uma #menasgestante por não estar praticando nada com regularidade ainda, mas as coisas vão mudar, torçam aí pra dar certo…

E é isso, por enquanto. Provavelmente na segunda eu volto com novidades \o/

a gente tá crescendo 😀

18 Comentários

Arquivado em acontece comigo, consulta, conversando, segundo tri

18 semanas e o meu bem-estar

Entramos hoje na 18° semana de gestação.
E isso significa o que, senhoras e senhores? Ultrapassamos o limite, o fantasma das 17 semanas e daqui pra frente é tudo, realmente, novidade \o/ Não que já não estivesse sendo, porque foi tudo muito diferente da outra gravidez, desde o comecinho do comecinho. Mas daqui pra frente é tudo completamente novo e eu tô animada para viver tudinho.

Nas semanas anteriores eu cheguei a pensar que ficaria ~meio assim~ quando chegasse a semana 17, uma tristezinha ou um medinho, sei lá. Adivinhem? Não aconteceu. Fiquei uns dois dias mais calada, introspectiva, cheguei a pensar no assunto, mas me dei conta de que não estava com medo, não era nada relacionado a esse bebê, era só uma brisa leve do que passou. Seguimos adiante e aqui estamos.

E como eu me sinto?
Ótima!!
Sem sintomas chatos, sem reclamações. A única coisa que tá pegando é o calor e, por conta disso, pés um pouquinho inchados no fim da tarde, mas não acho que esteja mais difícil pra mim do que pra todo mundo. Essa semana eu li dois textos sobre como é muito mais fácil reclamar da gravidez do que se sentir bem com ela. E é verdade. Sempre que alguém pergunta como estamos, a resposta esperada, muitas vezes, já é uma queixa, um desconforto. É claro que eles existem, são muitas mudanças ocorrendo de uma vez só, a gente não tá acostumada, às vezes enche o saco mesmo, mas não acho legal focar só nisso. E toda a mágica que estamos fazendo dentro de nós? Existe muita beleza na gravidez, literal e poeticamente, sempre achei isso e estou adorando vivenciar esse processo. Sim, eu sou a pessoa que sempre vai buscar um lado lindo em tudo, agora mais do que nunca, tanto que sempre tratei meus sintomas chatinhos com respeito e não apenas esbravejando o quanto eu os detestava. Sempre tentei entender o que eles queriam me dizer, a talvez diminuir me ritmo, ou rearrumar alguma coisa na rotina, ou aqui dentro. Tenho aprendido muito, essa é que é a verdade.
Além do mais, tenho me sentido muito bem comigo mesma. Não digo tanto pela aparência, mas sinto meu corpo trabalhando tão direitinho, tão em sintonia, que não tem como não me sentir bem.
E esses dias eu estava pensando em como é bom poder viver isso no meu ritmo, sem a pressão, todo dia, do que acontece lá fora, ou de um local externo de trabalho, por exemplo. Quando estou cansada eu respeito, quando a coisa agita eu vou junto. E isso não tem preço. Poder sentir e entender o que o meu corpo ou a minha mente estão me pedindo é fundamental pra mim.

Estou bem disposta, meus cabelos deram uma boa crescida, apesar de eu precisar dar um jeitinho nele, minhas unhas que quebram com uma super facilidade agora não quebram mais. Minha pele não está 100%, mas não ligo muito pra isso nesse momento. Minhas roupas decidiram que era uma boa hora para não servirem mais em mim, e tenho feito uns malabarismos para inventar novas combinações, muito legal essa parte, fico feliz quando um vestido não fecha mais, rsrs.

Tá uma delícia acompanhar a barriga crescer. Apesar de, às vezes, eu achar que ela deu uma boa crescida, outras vezes é como se ficasse estacionada  semaaanas no mesmo lugar.
Faço massagem com óleo todos os dias, e essa é uma das partes que eu mais gosto.
E agora as leves coisinhas que eu sentia (leia:se: pequenos movimentos tímidos da dona moça aqui dentro) estão se tornando movimentos mais perceptíveis. Todo dia já acontece, mais de uma vez por dia. E adivinhem? Ontem marido sentiu também!! Ain, que gostoso dividir isso com eles, né?! Eu estava deitada no sofá e senti, coloquei a mão dele em cima e, de repente, ele sentiu também, ficou todo bobo, rs.

Ou seja, as coisas estão indo muito bem do lado de cá, graças a Deus. Não perfeito, claro que tem umas coisinhas ainda para serem colocadas em seu devido lugar, mas não era sobre isso que eu queria falar hoje, e elas não tiram a graça, nem roubam a cena do que ando vivendo 🙂

E é isso.
Que venham mais e mais semanas de bem-estar.

Fica de registro duas fotos de ontem. A pança é do mesmo tamanho, juro, algumas roupas é que disfarçam mesmo, haha.

7 Comentários

Arquivado em acontece comigo, autoconhecimento, barriga, beleza, conversando, foto, segundo tri, sintomas

Carta do dia: 16 semanas de você

Bebê,
faz pouco mais de 16 semanas que estamos juntos, coladinhos um no outro.
Eu sinto que a gente se conhece cada dia um pouquinho mais, num tempo que é difícil de explicar para outras pessoas, de tão nosso que é.
Simplesmente fico apaixonada quando sinto suas leves mexidinhas, ainda tímidas e só de vez em quando, sentidas aqui desse lado. Minhas mãos tem estado em contato constante com a barriga, tenho sentido essa vontade de te dizer que o carinho será irrestrito aqui fora também, e parece que você tem gostado.

Você sabe, às vezes a mamãe fica nervosa e chora um pouco, colocando pra fora o que ela não consegue expressar naquele momento – tal qual você fará assim que chegar aqui desse lado da vida. E tudo bem, bebê, chorar é natural, e mais natural ainda é termos nossas lágrimas amparadas por quem amamos e confiamos (e pode ser por qualquer coisa, você se lembra quando chorei porque não conseguia comer e estava com fome, né?). Algumas vezes, nem a gente entende direito o porquê daquilo, mas um colinho é sempre bom, por via das dúvidas.
Outras tantas vezes, em maior quantidade, ainda bem, mamãe sente uma tranquilidade tão grande, você sente também? Ontem mesmo aconteceu, em algum momento no meio da tarde, sentada no sofá, eu percebi o quanto estava bem e o quanto você aqui dentro tem a ver com isso. Foi só um insight, mas foi bem vivo e percebi nitidamente sua participação nesse processo todo.

Assim como você escolheu quando viria morar aqui dentro de mim – só isso explica o fato de eu ter surtado de um dia pro outro, querendo parar a contracepção a qualquer custo (e aconteceu mesmo, poucos dias depois), também terá a liberdade de nascer quando for o seu momento, e assim por diante. Aqui em casa respeitamos muito o tempo particular de cada um, sempre – temos uma boa rotina, somos bem felizes e as coisas têm fluído muito bem nesse esquema, então continuaremos assim por tempo indeterminado. É muito importante perceber e respeitar esse tempo só nosso, e tenho certeza que será uma delícia (mas não menos cansativo, por vezes) descobrir o seu.

Ainda não sabemos se você é menina ou menino. Tem gente que diz que é um, tem gente que diz que é outro. Seu pai e eu estamos sem um palpite fortíssimo, sem aquela “certeza”. Talvez porque saibamos que teremos muito tempo para nos conhecermos. Talvez porque isso simplesmente não importe, visto que o amor que sentimos é destinado a você, não ao seu gênero. E quando perguntam pro seu pai o que ele “prefere”, ele diz que não importa, porque na verdade é você quem vai escolher melhor quando crescer. Você vai entender melhor mais adiante, hoje as pessoas arregalam os olhos quando ele diz isso. Saiba desde já que seu pai é raro, bebê, mas creio que isso você já tenha percebido. 
Mas toda nossa falta de palpites em relação a esse assunto não significa que só saberemos quando você nascer, nem que não bata uma curiosidade por vezes, nem que estejamos desligados disso. Na verdade, em breve teremos a confirmação, mas sobre isso eu vou dizer numa próxima oportunidade. De qualquer forma, acho que já chegamos num consenso sobre os possíveis nomes e, ao que tudo indica, você não se opôs, pelo menos por enquanto. 

Tenho tantas coisas para registrar e te dizer, mas vamos aos poucos, que é como funciona conosco. Estamos começando a arrumar as suas coisinhas, planejando compras e preparando o coração (em breve, a casa também). Tudo para sua chegada. Seus avós estão super presentes e adorando esse movimento.

Prometo escrever com mais frequência para termos o registro, visto que isso e o que ainda virá são fruto das nossas conversas. Sei que você sente, e obrigada por me ouvir.

Um cheirinho e um chamego bem gostosos,
mamãe.
Nós, quinta-feira da semana passada. Click do papai.

12 Comentários

Arquivado em amor, carta, foto, gestante, segundo tri

Mamãe craft

Então que ontem eu dei uma repaginada básica num caderno, afim de escrever tudo sobre esse mundo de gestante num lugar mais arrumadinho. Ficou simples, eu não tenho a melhor mão do mundo pra esses assuntos, nem muita prática. Mas não queria nada chique mesmo, então tá ótimo. Hoje terminei os balõezinhos e resolvi vir aqui mostrar como ficou. Na capa usei papel vergê e color plus, e esse vermelho de bolinhas é washi tape, uma fita decorativa feita de papel. No interior, é tecido mesmo 🙂 Dentro da nuvem vou escrever o nome do baby, quando souber o sexo e decidirmos o nome. O que acharam? 
O fato é que gostei da coisa e pretendo fazer mais. Quer dizer, na gestação passada eu já tinha essa ideia de fazer por conta própria algumas fofurices, e mantive algumas mesmas inspirações para esse baby também. Vou listar o que já estou planejando, até pra lembrar de mostrar aqui depois.
– Kit higiene: já tenho uma bandeja branca de mdf, que vou pintar de outra cor (quero amarelo, vamos ver se vai rolar). Comprarei cru ou personalizarei algo que já tenho como potinhos para algodão, cotonete e água. Comprarei uma garrafa simples também e farei um mimo;
– Bandeirinhas de tecido;
– Móbile de nuvem (pra ficar na parede, porque baby não terá berço);
– tenho um regador de alumínio que usava no meu quarto como decoração; vou pintar com tinta spray e bolar algo para enfeitar junto, e colocar no cantinho dele;
– quadrinhos variados, que ainda estou bolando;
– algo com o nome do baby;
– algo que eu ainda vou inventar mas por enquanto não sei.
Reparem que de nuvem a itens de jardinagem, esse cantinho do baby vai ter de tudo. Pra quê escolher um tema se eu posso ter vários? hahaha 
Quando nos mudarmos de casa e tiver um quarto inteiro destinado só pra ele, aguardem mais invenções, rs.
E aí, alguém mais pensa em colocar a mão na massa? O que fizeram ou pensam em fazer?

6 Comentários

Arquivado em craft, gestante, planos, segundo tri

15 semanas

15 semanas e 3 dias de amor!!

Tudo muito bem aqui com a gente, graças a Deus 🙂
Ontem, acordei e minha barriga tava dura e “amontoada” do lado direito. Posso com isso, produção? A pessoa mal tem tamanho e já prefere um lado da barriga, haha. Adorei sentir. Ou melhor, quando coloquei a mão a primeira vez assustei, mas depois foi legal, marido também sentiu. E aos poucos foi “voltando pro lugar”, rs.
Sentir mexer ainda não rola. Sinto umas coisiquinhas leves vez ou outra, mas ainda não dá pra dizer que é baby-baby.

Hoje acordei animadíssima e fiz uma faxina na minha mesa, que tava realmente necessitada, rs. Liberei um monte de espaço e separei algumas coisinhas que já tenho pra dar uma “repaginada” pro baby. Tô animada!
E depois que terminei, vi que tinha um caderno livre, sem uso, todo borocoxô. Fiz o que? Peguei papel, fita, tecido, tesoura e cola e dei uma carinha nova pra ele e tcharammm… agora temos um caderno exclusivo para assuntos gestacionais e bebezísticos. Tá simples, sem muito frufru, mas eu gostei. Falta só alguns poucos ajustes e depois posto foto; mas não aguentei e já comecei a escrever, hehe.

Já viram que essa semana começou animada, né?! Pois é. Tô realmente com mil coisas na cabeça, espero colocar tudo em prática, ou pelo menos boa parte.
Mas nem tudo são flores, minhas caras, não se enganem.

Hoje apareceu aqui pra me visitar uma dorzinha chata de estômago, um pesinho estranho. Não gostei.
Depois fiquei pensando, será que pode ser um princípio de azia? Nunca senti azia antes, não sei exatameente como é. Bom. Espero que essa visita não se prolongue eternamente, que me dê pelo menos alguns dias de sossego.

E eu descobri uma coisa. Tá, mentira. Dei nome pruma coisa que tô sentindo.
Pico de crescimento gestacional. pra frente e pros lado, só se for
hahaha
Hoje eu não pude ficar num intervalo maior de duas horas sem comer, acreditam nisso?
Na hora do almoço, quando já tava me preparando pra ir pra cozinha, me veio uma ânsia tão forte, achei que fosse vomitar. Não ia dar pra aguentar esperar esquentar comida + colocar no prato, a coisa tava urgente e feia mesmo. Comi uma bolachinha doce pra enganar e deu. E assim foi durante todo o dia. Um hiato maior e logo vinha a sensação ruim no estômago (sim, aquela que já citei ali em cima) e não dava pra deixar pra depois. Aff, que coisa difícil. Ainda bem que tinha uva, melancia… as frutas sempre me salvam.
Mais uma vez eu penso nos bebês e o quanto eu preciso me lembrar de ter paciência e empatia, porque olha, se falando, raciocinando e sendo responsável pelos meus atos não é fácil, imagina pra eles, né?!

Mas enfim, vamos em frente ver o que me espera.
E como prometido, foto da barriga \o/ – clicada ontem, super atual, rs.

Baby-baby e eu curtindo um showzinho na praça 🙂 (tô séria na foto mas juro que tava muuuito animado, rs).

8 Comentários

Arquivado em acontece comigo, animação, azia, conversando, craft, foto, gestante, segundo tri

14 semanas e a consulta médica

Ontem foi dia de consulta com a obstetra. E só quando você tem uma profissional muito afinada com a sua história de vida e realmente interessada em te ouvir que você entende porque algumas pessoas (eu, eu!) saem tão animadas da consulta. Uma hora de conversa, de atenção, de dúvidas sanadas e também de risadas. Muito bom poder confiar em quem estará com você durante toda a gestação e parto. Dessa vez minha mãe foi comigo, porque marido não poderia se ausentar do trabalho, mas na próxima ele estará lá.

Mas vamos aos fatos:
Minha primeira consulta com ela nesse pré-natal foi no fim de novembro. Em dezembro não nos vimos (só nos falamos por e-mail), e agora voltei quase no fim de janeiro. Eu já tinha mandado os resultados dos exames de sangue pra ela, mas levei nessa consulta também. Tudo bem com a minha saúde; e repetiremos o exame da listeriose mais adiante, para controle mesmo, já que já tomei o antibiótico.
Mostrei o ultra que fiz semana passada, tudo lindo com baby-baby também, graças a Deus.
Suspendemos o ácido fólico e agora seguiremos com vitamina e um cálcio (que tenho que mandar manipular). Nenhum exame para esse mês.

Quando foi a hora de ouvir os batimentos cardíacos do bebê deu aquele friozinho na barriga. Não muuuito, porque já estava relaxada com o nosso papo, mas como eu não soube o que é passar por isso na gestação passada, foi mais aquela coisa de primeira vez mesmo. Deitei na cama, medimos altura uterina, depois ela colocou aquele gelzinho básico e, assim que encostou o sonar, o som mais lindo do mundo preencheu a sala. Aahhh, que coisa mais deliciosa, minha gente! Aquele tum-tum-tum debaixo d’água – e algumas vezes dava umas “ondulações”, que ela disse serem os movimentos fetais, que o sonar também capta. E tava animada, a pessoa aqui dentro, viu?! Mexendo bastante, rs.
Em seguida, medimos minha pressão, que está igual, como sempre.
E depois era hora de pesar. Em dezembro eu nem pesei, sinceramente. Quer dizer, acho que subi uma vez numa balança lá em Aracaju, mas só por curiosidade mesmo. E ontem, quando eu vejo: MESMO peso da consulta de novembro! Yeaah! Pensem como fiquei animada, hahaha.

E foi isso.
Próximo encontro daqui um mês.
Aqui seguimos com 14 semanas e 5 dias hoje. E preciso criar vergonha na cara e tirar mais fotos da pança, me lembrem! (minha memória anda péssima, pode culpar os hormônios? haha).

o único aplicativo que tenho de gestação: Alô Mamãe, do pessoal do Mundo Ovo.
Todo dia o bebê te manda uma mensagem, haha. 


Só pra não dizer que não postei foto da barriga, aqui uma da minha afilhada, semana passada, fazendo carinho no bebê ❤

11 Comentários

Arquivado em acontece comigo, coisa linda, consulta, conversando, gestante, segundo tri